Ainda sem parceiros, Dani Alves diz que tomaria decisões diferentes se controlasse marketing do São Paulo
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Ainda sem parceiros, Dani Alves diz que tomaria decisões diferentes se controlasse marketing do São Paulo

Daniel Alves - Treino São Paulo
Daniel Alves chegou ao São Paulo em agosto de 2019 (Foto: Divulgação/São Paulo)
Fellipe Lucena - 04/08/2020 - 14:25
São Paulo (SP)
Daniel Alves disse que tomaria decisões diferentes se controlasse o departamento de marketing do São Paulo, hoje chefiado pelo diretor João Fernando Rossi. Em entrevista coletiva virtual nesta terça-feira, o camisa 10 respondeu sobre o fato de, um ano após tê-lo anunciado, o clube não ter nenhum parceiro para auxiliar no pagamento de seus vencimentos.

- Não controlo o marketing do São Paulo. Se controlasse, algumas tomadas de decisão seriam diferentes, porque tenho outra ideia do que faria no meu caso e no caso de um clube desse tamanho. Mas eu foco no que está ao meu alcance - disse Daniel Alves.

O São Paulo atrelou a contratação do jogador de 36 anos à chegada de parceiros comerciais que pagassem para explorar a imagem dele e inclusive contratou uma empresa para fazer a prospecção. O clube esteve perto de assinar com a DAZN, mas a pandemia acabou atrasando as negociações. Até agora, o Tricolor está tendo que bancar sozinho os vencimentos de sua principal estrela.

E MAIS:
A primeira parcela dos direitos de imagem de Daniel Alves, que se acumulam e são pagos semestralmente, atrasou: deveria ter sido depositada em abril e só caiu em julho, após a entrada do dinheiro da venda de Antony ao Ajax. O atleta também está precisando lidar com o corte salarial de 50% causado pela pandemia, mas não só minimizou a questão financeira em sua entrevista como disse que esse assunto não deveria vazar para a imprensa.

- Quando decidi vir, sabia dos problemas do São Paulo e sabia que teria que ter alguns parceiros, senão ia gerar certa dificuldade para o clube. Mesmo assim eu vim, sabendo de todas as dificuldades, tudo que o clube tem de problema. Apertei o "F" e vim realizar meu sonho. Acho que fui o jogador que mais deu resultado na história do futebol e que menos ganhou dinheiro, porque minhas decisões não são em função de dinheiro, são em função de sentimento.

- Os problemas internos, de relação clube-jogador, são problemas de bastidor, não podem ser expostos. Infelizmente dentro do São Paulo nem todo mundo preza pela mesma coisa, esse é o grande problema do São Paulo e da maioria dos clubes. Existem vários interesses dentro, as pessoas esperam os momentos ruins para sacar tudo o que tem de negativo dentro do clube. Eu não compro essas histórias. Sei que o clube tem problema, mas se eu tiver que resolver alguma coisa, resolvo com respeito à instituição e às pessoas que me trouxeram até aqui. Se alguém pensa de outra maneira, não posso controlar. O que está ao meu alcance é respeitar o clube, as suas dificuldades e ver até onde chega meu limite com isso - emendou Daniel Alves.

Ele disse ter sido um dos primeiros a aceitar as medidas de redução salarial durante a pandemia no elenco. O assunto gerou certo atrito com a diretoria durante a paralisação do futebol.

- O problema de finanças é do São Paulo e de todos os clubes, agora com a pandemia muito maior. Fui um dos primeiros a tentar aceitar a redução de salário, não porque as pessoas estavam desempregadas, mas simplesmente porque o meu sentimento era de que eu não podia estar falando em dinheiro enquanto estamos passando por problemas gravíssimos, pessoas morrendo.


Facebook Lance Twitter Lance