Presidente do Palmeiras diz que não fará loucuras por reforços de peso
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Presidente do Palmeiras diz que não fará loucuras por reforços de peso

Maurício Galiotte
Maurício Galiotte não quer prejudicar o caixa do Palmeiras com reforços (Foto: Cesar Greco)
LANCE! - 02/07/2018 - 15:34
São Paulo (SP)
A torcida do Palmeiras sonha com reforços de peso nesta janela de transferências, mas Maurício Galiotte avisou que não fará loucuras. O clube nutre sonhos antigos por jogadores como Miranda e Bernard, mas são duas opções hoje consideradas distantes.

- Sondamos alguns grandes jogadores, como esses que você citou, mas é muito complicado em termos de salário, de família, de valores e de vínculo com clube. São situações muito sensíveis, difícil repatriar esses atletas. Mas estamos atentos, se surgir oportunidade vamos buscar fortalecer nosso grupo - afirmou Galiotte, ao Globo Esporte.

Por Miranda houve um início de conversa em janeiro. Além da pedida alta do zagueiro da Seleção Brasileira, sua família não se mostrou disposta a voltar ao Brasil neste momento. Ele tem mais um ano de contrato com a Inter (ITA), e o Verdão anunciou recentemente a chegada do argentino Nicolás Freire.

Bernard está livre no mercado após anunciar sua saída do Shakhtar Donetsk (UCR). Embora isto facilite uma possível transferência, pois não será necessário tratar com outro clube, o atacante de 25 anos conversa com equipes da Europa e China, mercados mais fortes financeiramente.

- O que a gente procura é ficar o mais atento possível. Sondamos os grandes jogadores. A gente busca título este ano, é o maior objetivo. Queremos um grupo cada vez mais forte - completou.

Nesta janela de transferências, o Verdão arrecadou quase R$ 90 milhões, com as vendas de João Pedro, Tchê Tchê, Fernando e Keno. Este valor pode ser usado apenas parcialmente para uma possível nova contratação. O restante serve para o dia a dia do clube, que precisa quitar dívidas antigas, trabalhistas e cíveis. De janeiro de 2017 a maio de 2018, por exemplo, débitos como esses custaram R$ 23 milhões.


E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance