São Paulo não abre mão de ser competitivo, mas sofre para fazer gol
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

São Paulo não abre mão de ser competitivo, mas sofre para fazer gol

Diego Souza - São Paulo x Bahia
Diego Souza comemora o gol que definiu a vitória sobre o Bahia - FOTO: Rubens Chiri/São Paulo FC
Fellipe Lucena - 09/09/2018 - 08:00
São Paulo (SP)
O São Paulo venceu o Bahia, voltou à liderança do Brasileirão (pelo menos até o jogo do Internacional) e orgulhou o seu torcedor mais uma vez pela entrega de seus jogadores, mas há ao menos um motivo para preocupação: o poder de fogo da equipe anda reduzido.

São apenas quatro gols marcados em cinco partidas do segundo turno: um contra o Paraná (1 a 1), um contra o Ceará (1 a 0), um contra o Fluminense (1 a 1), nenhum contra o Atlético-MG (derrota por 1 a 0) e um contra o Bahia (1 a 0).

- Lamentavelmente não estamos conseguindo fazer mais gols e ter a tranquilidade que todos queremos nos jogos. Trabalhamos muito nisso. Falamos que precisamos aproveitar mais as situações. Contra o Atlético tivemos muitas situações e não fizemos o gol. Temos que continuar trabalhando e melhorar - disse Diego Aguirre.

Ironicamente, o Tricolor não conseguiu marcar um gol na partida em que mais criou chances no returno, contra o Atlético-MG. Foi também o adversário mais forte que o time enfrentou no período. Contra os rivais mais qualificados, é preciso mais do que raça para vencer.

O treinador uruguaio, que tem acertado a mão em quase todas as suas escolhas, não foi feliz ao eleger Everton Felipe para substituir o suspenso Reinaldo contra o Bahia. O jovem recém-chegado do Sport foi pouco efetivo quando jogou aberto pela direita e menos ainda quando inverteu com Rojas e foi deslocado para a esquerda - isso não significa que ele tenha sido o único culpado pela falta de criatividade da equipe.

Se já é difícil jogar sem Everton, que ficou fora das últimas três partidas por lesão, fica ainda mais complicado armar a equipe sem Reinaldo, que é adiantado para a ponta esquerda para substituí-lo. 

A opção mais lógica para o setor parecia ser Liziero, que ocupou aquele espaço no segundo tempo da partida contra o Galo e foi bem, mas foi Tréllez quem fez o São Paulo melhorar ao substituir Everton Felipe no início da etapa final. Muito intenso e absurdamente dedicado, o colombiano incomodou os defensores do Bahia e estava na área para puxar a marcação no lance do gol de Diego Souza, em uma das poucas chances claras que o time criou na partida.

O time também ganhou qualidade quando Liziero entrou no meio de campo e Hudson foi para a lateral, substituindo Régis. Essa configuração será repetida no domingo que vem, contra o Santos, na Vila Belmiro, se Bruno Peres não estiver recuperado de lesão para substituir o suspenso Régis. Everton também tem chance de voltar, um grande alento para quem precisa ser mais letal.

E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance