São Paulo banca Jardine, mas início de trabalho não agrada
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

São Paulo banca Jardine, mas início de trabalho não agrada

André Jardine
Jardine está sob pressão no São Paulo (Foto: Luis Moura/WPP)
Fellipe Lucena - 07/02/2019 - 15:14
São Paulo (SP)
A não ser que algo mude nas próximas horas, a derrota por 2 a 0 para o Talleres (ARG), em Córdoba, não resultará na demissão de André Jardine do cargo de treinador do São Paulo. O treino desta quinta-feira, que seria aberto à imprensa, será todo realizado com portões fechados, mas isso não significa que o futuro do gaúcho de 39 anos estará em discussão no CT da Barra Funda. 

Raí, diretor de futebol do clube, deu um voto de confiança público a Jardine logo após o jogo na Argentina e afirmou que "a tendência é que tenha bastante tempo para trabalhar". A diretoria, porém, não esconde que não está satisfeita com o início de trabalho e que espera melhoras com urgência.

E MAIS:
- Continuo acreditando no estilo dele, no trabalho e nos resultados. Obviamente está bem abaixo do que a gente esperava até agora, mas acredito bastante no trabalho dele no dia a dia, no poder de mobilizar os jogadores - disse Raí.

Uma eliminação na quarta-feira que vem, dependendo de como a equipe se apresentar, pode tornar a pressão pela troca de treinador insuportável. O nome de Jardine divide opiniões desde sua escolha para substituir Diego Aguirre, em novembro do ano passado, mas o ex-auxiliar sempre teve as duas figuras mais pesadas do clube ao seu lado: tanto Raí quanto o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva são entusiastas do trabalho dele e foram os maiores defensores de sua efetivação.


Os resultados, porém, estão muito longe do esperado. Jardine acumulou duas derrotas, dois empates e só uma vitória nas cinco rodadas finais do Brasileirão de 2018 e não conseguiu cumprir o objetivo de levar o São Paulo direto para a fase de grupos da Libertadores - era o que a diretoria pretendia ao demitir Diego Aguirre na reta final da temporada. Em 2019, contando a Florida Cup, são cinco derrotas e três vitórias. Jardine acredita que deve ser cobrado apenas pelo que acontece neste ano.

- Não gosto de ficar justificando, acho que tenho que assumir todo mau resultado, mas acho bastante injusto fazer a conexão com o ano passado. Eu peguei um fim de trabalho, com uma identidade de jogo bastante diferente da que eu acredito, praticamente sem tempo para treinar e modificar qualquer coisa. Acho até que, pelo tempo que tivemos ano passado, conseguimos alguma evolução, mas o resultado nem sempre vem. Esse ano, sim. Eu também me cobro bastante. Acho que o São Paulo precisa jogar mais, precisa ter controle de jogo, mas esse processo não é tão rápido. Estamos tentando usar todo o tempo de treino que temos para evoluir algumas coisas, sabemos que estamos enfrentando jogos decisivos - disse o treinador.

Raí concorda com ele. O diretor assume toda a responsabilidade pela arriscada decisão de trocar um técnico de ideias prioritariamente defensivas por outro adepto de um jogo propositivo a cinco jogos do fim da temporada. Ao mesmo tempo, acredita que o elenco montado para este ano tinha potencial para estar rendendo melhor.

- No ano passado foi uma opção estratégica. Era fim de temporada e estávamos pensando na sequência. Agora é início de temporada e a tendência é que tenha bastante tempo para trabalhar, sabendo da urgência do resultado na Libertadores. Precisamos desse resultado, contamos com a torcida para ferver o Morumbi, e depois, pouco a pouco, ter os resultados e as atuações que todo mundo espera - finalizou Raí.

Antes de encarar a decisão contra o Talleres (ARG), na quarta que vem, às 21h30, no Morumbi, o São Paulo visita a Ponte Preta às 19h deste sábado.

Facebook Lance Twitter Lance