Em nota, Santos explica redução salarial a atletas mesmo sem acordo
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Em nota, Santos explica redução salarial a atletas mesmo sem acordo

José Carlos Peres
Decisão esfriou ainda mais a relação entre o presidente José Carlos Peres e o elenco(Ivan Storti/Santos FC)
Fábio Lázaro - 14/05/2020 - 11:36
Santos (SP)
Após a polêmica decisão de reduzir em 70% os salários de parte dos seus colaboradores, sem o consentimento dos atletas, o Santos divulgou uma nota em seu site oficial esclarecendo a decisão.

O clube admitiu que não chegou a um desfecho na negociação com os jogadores e, enquanto a situação não é definida, efetuou o pagamento referente aos vencimentos do mês de abril, de acordo com a medida tomada aos funcionários da parte administrativo que recebem valor mensal superior a R$ 6 mil.

A nota também afirma que 60% do quadro de funcionários receberam seus salários integralmente. A informação difere do que foi dito pelo presidente José Carlos Peres à “Gazeta Esportiva” e ao “Blog do PVC”, onde informou que 80% dos colaboradores não seriam atingidos.


Segundo especialistas em legislação trabalhista e direito desportivo, a atitude do Santos pode acarretar em sanções frente a Justiça do Trabalho, inclusive com rescisão unilateral por parte de alteras que optarem por acionar a instituição.

E MAIS:
Confira a nota na íntegra

"O Santos Futebol Clube vem a público esclarecer que ainda não houve desfecho nas negociações de redução salarial com os atletas, e que, independentemente deste fato, optou por tomar a decisão de efetuar o pagamento parcial de seus respectivos salários referentes ao mês de abril, sob a mesma política adotada para todos os demais funcionários do Clube. As negociações com os atletas seguirão em andamento, com o intuito de encontrar um denominador comum entre as partes.

Diante desta pandemia do novo Coronavírus e todas as complicações por ela geradas, o Santos FC tem feito o possível para atender todo o quadro de funcionários, terceiros e fornecedores. Mesmo em estado de calamidade pública e com importantes receitas suspensas, aproximadamente 60% dos funcionários receberam seus salários integralmente".


Facebook Lance Twitter Lance