Ao L!, advogado explica possíveis sanções ao Santos por corte salarial
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Ao L!, advogado explica possíveis sanções ao Santos por corte salarial

José Carlos Peres
Santos pode ter problemas ao reduzir salários de jogadores sem acordo (Foto:Ivan Storti)
Gabriel Santos  - 18/05/2020 - 06:00
Santos (SP)
O Santos vive momento turbulento nos últimos dias por conta do corte de 70% nos vencimentos de jogadores e funcionários que recebem mais de R$ 6 mil, anunciado na semana passada, em razão da pandemia do novo coronavírus. Com essa medida, o clube afirmou que fez esse sacrifício para preservar o emprego dos demais colaboradores, porém, existe a chance do Peixe ver os jogadores saírem por conta da redução, que, vale relembrar, foi feita sem o acordo do elenco. 

O LANCE! entrevistou o advogado Marcio Jones Suttile, do escritório Suttile e Vaciski, especialista em direito desportivo, para tirar algumas dúvidas do torcedor e esclarecer os próximos passos. Segundo o profissional, o Santos fere o que é previsto na Medida Provisória 936/20.

- É necessário observar em que condições e de que forma foram conduzidas tais negociações. A MP 936, parte de uma premissa: a existência de acordo individual entre empregados e empregadores. Ocorre, que os fatos publicitados trazem primeiramente um descumprimento de acordo verbal e depois uma imposição unilateral aos atletas e empregados. O Sindicato da categoria, corretamente, emitiu um comunicado repudiando a conduta do Clube. A conduta do Santos é ilícita e antijurídica - afirmou Marcio. 


Outro ponto que preocupa a diretoria e a torcida santista são as possíveis punições ao Santos pelo corte salarial sem a anuência dos jogadores.

- O risco de condenações judiciais é muito relevante. O clube poderia ser multado pela Ministério do Trabalho como sanção mínima e ver seus empregados rescindindo os contratos com o pagamento de vultuosas quantias indenizatórias, como a punição máxima. Uma das sanções é o pagamento de todos os salários do atleta até o fim do contrato, caso ele pedir a rescisão contratual. Ao meu ver, não há risco de punições na CBF ou outras federações.

Quanto ao prazo de reclamação, caso algum atleta opte por se desvincular do Peixe, o advogado explicou que pode ser feito o pedido de saída após três meses de redução. 

- Os atletas, à partir do terceiro mês de atrasos parciais de salário, já poderão ajuizar ações visando a rescisão indireta. O prazo prescricional, máximo, é de 2 anos desde o fato causador do dano. No entanto, saliente-se que a ação pode ser movida a qualquer momento, e mesmo com o contrato ativo. Se o clube, eventualmente, retornar com os pagamentos normais depois de dois meses de atraso, permanece o direito ao empregados de ressarcirem seus salários não pagos através de ações futuras, com multas e correções, ou seja o passivo está criado - concluiu.

Restam saber os próximos passos desta novela, que está longe de terminar. 

E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance