Determinada e sonhadora, atleta do Fortaleza reencontra felicidade no esporte
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Determinada e sonhadora, atleta do Fortaleza reencontra felicidade no esporte

  •  Oara Uchôa - Fortaleza
    Oara Uchôa - Fortaleza Foto: Divulgação
  •  Oara Uchoa e Lidio Andrade - Fortaleza
    Oara Uchoa e Lidio Andrade - Fortaleza Foto: Divulgação
  •  Oara Uchôa - Seleção Brasileira
    Oara Uchôa - Seleção Brasileira Foto: Divulgação
  •  Oara Uchôa e Lidio Andrade - Seleção Brasileira
    Oara Uchôa e Lidio Andrade - Seleção Brasileira Foto: Divulgação
Futebol Latino - 28/08/2019 - 17:03
Lima (PER)
Do futebol com os primos para a seleção brasileira feminina de basquete em cadeira de rodas. Aos 24 anos, a cearense Oara Uchôa já passou por muitas coisas e encontrou, no esporte, um renascimento. Hoje, a pivô do Fortaleza é um dos destaques da equipe que disputa os Jogos Parapan-Americanos em Lima, no Peru.

Para chegar à sua atual fase, no entanto, o caminho não foi fácil. Na infância, Oara tinha uma vida normal, como a de qualquer outra criança. Na época, ela nunca havia assistido uma partida de basquete, pois a sua verdadeira paixão era o futebol.

- Quando era pequena, o meu sonho era vestir a camisa da seleção de futebol. Queria ser a Marta, admirava ela e treinava com os meus primos para isso. Jogava bola no meio dos meninos mesmo e tentava melhorar cada vez mais - explica.



No entanto, aos 11 anos, Oara caiu da sua bicicleta voltando da escola e, depois disso, tudo mudou. Com muitas dores e um ferimento na perna que não sumia, ela foi diagnosticada com osteossarcoma, um tumor maligno que tem pico de incidência em jovens entre as idades de 10 e 25 anos e geralmente aparece em locais onde os ossos se desenvolvem mais rápido, durante sua fase de crescimento.

- Na época, a minha perna doeu muito, uma dor fora do comum e a minha perna não inchava no início. Eu sentia uma dor muito forte e febre de noite. Depois de algum tempo, a minha perna começou a inchar apenas depois de passar por cinco médicos fui diagnosticada com câncer - conta.

Dois anos depois, Oara precisou amputar a perna esquerda para poder continuar a viver. A adaptação na nova vida foi difícil. A jovem de 13 anos passou cerca de quatro anos longe da escola: dois por conta do tratamento e dois por medo do que as crianças iriam pensar.

- A minha realidade era totalmente diferente da que estava acostumada. Era uma criança normal e depois disso foi muito difícil voltar para o meu dia a dia, para as minhas atividades. Quando retornei para a escola ainda sim me senti excluída. Tudo foi complicado - relata a atleta.

O renascimento por meio dos esportes

A jogadora do basquete em cadeira de rodas do Fortaleza afirma que, no início, não gostava de sair de casa por vergonha do que outras pensariam ao vê-la. Foi aí que, por meio de uma antiga paixão, o esporte, Oara reencontrou sua alegria. Até então, Oara não sabia da existência de esportes adaptados para pessoas deficientes:

- Um professor falou com uma prima minha sobre a existência destas modalidades. O secretário de esporte da prefeitura me procurou e comecei a praticar natação. Gostava de nadar, pois ficava a maior parte do tempo em casa, sem poder fazer muitas coisas.

A trajetória na natação foi curta, mas bem produtiva. Na primeira competição da cearense, com apenas dois meses praticando o esporte, foi medalha de ouro no revezamento 4x50, prata nos 50m livres e bronze nos 100m livres.

Foi em uma dessas competições que Lidio Andrade, atual treinador da atleta no Leão do Pici e integrante da comissão técnica da Seleção Brasileira de basquete em cadeira de rodas feminino, descobriu o talento de Oara.


E MAIS:
- Conheci a Oara em 2014, durante um torneio de natação em Natal. Quando a vi, fiz o convite para que ela pudesse participar do basquete. Na hora, ela me disse que ia pensar, mas alguns dias depois começou a treinar conosco. Conforme o tempo passou, ela se apaixonou pela modalidade - conta o profissional que atualmente está acompanhando a pivô em Lima.

Lidio conta que se surpreendeu cedo com as ambições da jovem jogadora. Logo no início, ela falou ao técnico que queria ir para a Seleção Brasileira:

- Naquele momento, eu nunca iria dizer não, falei para ela que precisaria de muito trabalho e foco. Porém, eu não imaginava que uma atleta do Ceará, que não participa de muitos eventos, pudesse chegar tão rápido à Seleção.

Oara afirma que se tornou jogadora de basquete de verdade em 2015. Ela se afiliou a ADESUL (Associação D’eficiência Superando Limites) a convite de Lidio:

- Decidi que colocaria minha cara a tapa e me tornaria jogadora de basquete, sem pensar no que poderia acontecer. Fui me desafiando e me libertando das coisas que me prendiam.

- O esporte se tornou tudo para mim. Ele me trouxe novamente a vida. Antes dele, ficava em casa por ter muita vergonha, imaginando o que outras pessoas poderiam pensar sobre mim. Eu não conseguia me aceitar, tinha preconceito de mim mesma - completa.

Parceria com o Fortaleza

Ela rapidamente se tornou destaque na modalidade e, no início de agosto, sentiu todo o seu esforço ser valorizado. O Fortaleza fechou parceria com a equipe da ADESUL, que neste ano foi campeão feminino e masculino dos Jogos Paradesportivos de Fortaleza e dos Jogos Paradesportivos do Ceará.

- A importância desse apoio é enorme. A tendência é que a gente consiga cada vez mais parceiros. Com o nome do Fortaleza ao nosso lado, vamos conseguir abrir portas que nunca conseguimos na vida. O apoio do clube com uniformes, passagens para a comissão técnica, ajuda de custos e manutenção dos materiais é algo que nunca tivemos - explica Lidio.

Oara, que em novembro disputará o Campeonato Brasileiro com as cores do Tricolor de Aço, conta que a parceria é um combustível a mais para ela neste Parapan:

- Nunca tivemos uma parceria tão grande de um clube como o Fortaleza. O nome do clube pesa muito e ganhamos muita visibilidade. Só tenho a agradecer.

A realização de um sonho

Depois que conheceu o basquete, Oara passou a sonhar ainda mais com a chance de vestir a camisa da Seleção Brasileira. Depois de convocações e torneios disputados com a equipe nacional, o seu maior momento chegou: o torneio de basquete em cadeira de rodas dos Jogos Parapan-Americanos.

- Estou muito satisfeita, só tenho a agradecer ao meu técnico por ele ter acreditado em mim. Ele nunca tirou o meu sonho e sempre me deixou sonhar cada vez mais. O Parapan é uma competição muito grande e estou vivendo essa realidade - finaliza.

Lidio, no entanto, é quem agradece sua atleta:

- É uma pessoa guerreira e determinada. Tem um enorme coração, além de ser muito focada em tudo que ela deseja. Na vida, ela me ensina muitas coisas. Não existem obstáculos para a Oara, ela vai em busca dos seus sonhos como qualquer outra pessoa.

Agora, o maior objetivo de Oara é participar dos Jogos Paralímpicos, e Lima será um passo importante para isso:

- Quem sabe não realizo o meu novo sonho no ano que vem”, brinca a jogadora do Fortaleza que, ao lado de suas companheiras, tenta ser uma das finalistas do Parapan, garantindo assim uma vaga para os jogos de Tóquio, em 2020.


Facebook Lance Twitter Lance