Com orçamento de 30 mil por mês, Cruzeiro fecha equipe de atletismo
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Com orçamento de 30 mil por mês, Cruzeiro fecha equipe de atletismo

Franck Caldeira, ouro na maratona do PAN do Rio 2007
Frank Caldeira venceu a são Silvestre de 2006 pelo Cruzeiro e no ano seguine conseguiu a medalha de ouro no Pan do Rio na maratona- Bruno Miani/CBAt
Valinor Conteúdo - 31/12/2018 - 17:25
Belo Horizonte
Nem as conquistas e ser um dos principais clube do atletismo brasileiro, evitaram o fim da equipe de corridas do Cruzeiro, que existe desde 1984 e sempre trouxe bons resultados, além de ser uma ferramenta de divulgação da marca do clube em outras áreas.

O time celeste confirmou o fim das atividades no atletismo, que realizou 3.850 participações em corridas, conquistando diversas provas de nível nacional e internacional.

A diretoria do Cruzeiro alegou redução de gastos para terminar o ciclo do esporte no clube azul. A estrutura do atletismo cruzeirense contava com o treinador Alexandre Minardi e mais 25 atletas, ao custo de R$ 600 mil por ano em 2017, 50 mil ao mês, mas que foi reduzido em 2018 para R$ 30 mil mensais.




E MAIS:
A Corrida de São Silvestre, que foi disputada em São Paulo, no dia 31 de dezembro, foi a última competição do atletismo cruzeirense.

- Foi uma decisão da diretoria, pois o atletismo gerava muita despesa e não conseguíamos patrocínio. Portanto, encerramos as atividades- disse ao SuperEsportes o diretor-geral do Cruzeiro, Sérgio Nonato, que completou:
- Estamos cortando custos. O atletismo gastava mais de R$ 500 mil. Não tem patrocínio. Todos os atletas já foram comunicados, explicou.

O técnico Alexandre Minardi, que estava no atletismo do Cruzeiro há mais de 30 anos, lamentou o fim da equipe, que teve atletas de destaque, como Franck Caldeira, vencedor da São Silvestre em 2006.

- Sou muito grato ao Cruzeiro, gratidão imensa, mas fiquei triste pela forma como foi comunicado o fim da equipe de atletismo”, lamentou Minardi. “Sempre brilhamos nas provas de rua do país. O Cruzeiro é reconhecido no mundo inteiro, é uma equipe respeitada no Brasil inteiro- disse.

- O argumento do Cruzeiro é que precisa cortar despesas, que a dívida está grande. Eu perguntei se a culpa era do atletismo, pois nosso custo é mínimo. Tem atleta que recebe R$ 1 mil, R$ 1,5 mil. Até o ano passado, o custo anual era R$ 600 mil, cerca de R$ 50 mil por mês, para passagens, hospedagens, tudo. E esse valor não tinha reajuste há uns 10 anos e olha a inflação deste período. O presidente Wagner Pires de Sá reduziu 40%, para cerca de R$ 30 mil mensais neste ano de 2018- revelou.

O Cruzeiro possui uma dívida perto de 500 milhões de reais entre obrigações financeiras com bancos e débitos com clubes por não pagamento de valores pela compra de jogadores.


E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance