Sheik explica motivo de sua saída do Timão: 'Não estava sendo mais útil'
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Sheik explica motivo de sua saída do Timão: 'Não estava sendo mais útil'

Emerson Sheik e Duílio Monteiro Alves
Emerson Sheik deu entrevista coletiva ao lado de Duílio Monteiro Alves, diretor de futebol do Corinthians (Foto: Peter Leone/O Fotográfico/Lancepress!)
Yago Rudá - 05/11/2019 - 16:49
São Paulo (SP)
Ídolo do Corinthians, o ex-atacante Emerson Sheik entregou o cargo de coordenador de futebol do Timão na tarde da última segunda. Incomodado com algumas notícias veiculadas na mídia e também por ter sido alvo de protestos das torcidas organizadas do Alvinegro, o cartola comunicou a diretoria que não seguiria mais trabalhando no CT Joaquim Grava. Mesmo assim, o herói da conquista da Copa Libertadores de 2012 fez questão de agradecer o clube. 

- A ideia de vir hoje é para agradecer. Não só esses onze meses, mas também para agradecer pelo encerramento da minha carreira e, na sequência, assumir um cargo tão desejado. Quero agradecer ao Duílio, ao presidente Andrés, agradecer a instituição Corinthians e ao torcedor corintiano. Saio pela porta da frente. Foi uma baita experiência. Foram onze meses como coordenador de futebol e certamente aprendi muito mais do que duas décadas como jogador. Saio daqui com uma experiência maior, com projetos novos. Tenho um carinho muito especial pelo Corinthians e isso não é novidade para ninguém. Ficam aqui meus mais sinceros agradecimentos - afirmou. 

De acordo com Sheik, a publicação de notícias falsas sobre sua conduta dentro do clube o incomodaram nos últimos dias. Além disso, em um dos protestos organizados pelas torcidas organizadas do Corinthians nas últimas semanas, seu nome apareceu em uma faixa. Diante do momento delicado na temporada e das fortes críticas externas, o ex-jogador optou por entregar o cargo. 



- Essa situação das informações falsas me incomodou. Teve também as faixas dos torcedores que também me incomodaram. Tentei ajudar e não consegui. Não quero atrapalhar - pontuou o ídolo do Timão. 

O agora ex-dirigente do Timão assumiu o cargo de coordenador de futebol logo após pendurar as chuteiras, no fim do ano passado. Como cartola, participou do grupo que conquistou o Campeonato Paulista no início desta temporada, mas também viu o time cair de produção nas últimas rodadas do Campeonato Brasileiro, o que gerou a demissão do técnico Fábio Carille, dos auxiliares Cuca e Fabinho, do preparador físico Walmir Cruz e do analista de desempenho Denis Luup.

TABELA
>Confira a classificação atualizada do Campeonato Brasileiro

E MAIS:
Veja outros trechos da entrevista coletiva de Emerson Sheik:

Temporada com o Corinthians 

Foi um ano em que começamos vencendo o Campeonato Paulista. Não tivemos uma apresentação que agradou a todos. No Brasileiro, chegamos a ficar em terceiro e depois o time teve uma queda. O futebol tem uma cultura de que pelo menos alguém tem que pagar. Li muitas coisas sobre o meu nome. Tenho uma história linda aqui como atleta. Tudo o que saiu não foi verdadeiro. Posso garantir isso. Foram histórias criadas não sei por quem, mas me incomodou bastante. Chegou um ponto em que o torcedor veio aqui com uma faixa com meu nome. Acho que não estava mais sendo útil. O Corinthians não pode se contentar com o Campeonato Paulista. Nos últimos anos ganhou Recopa, Libertadores, Mundial, Brasileiro. Fica o meu sentimento de desejar o melhor para o Coelho que está chegando agora, não sei quem vem. A minha história aqui foi de comprometimento, de ajuda. 

Sai magoado do Corinthians? E qual seu foco agora?
Não, não saio magoado. De jeito nenhum. Não foi da maneira como eu imaginava. O time não funcionou. As cobranças começaram a aparecer para o treinador, atletas e diretoria também. Agora estou focado no Sheik & Amigos contra a fome. Sei que o Corinthians está passando por mudanças. Meu foco agora é no dia 10/12, na Arena Corinthians, jogo do Sheik & Amigos contra a fome. Vou estar na torcida pelo Corinthians, mas meu foco é outro. 

Relação com os jornalistas
Meu relacionamento com os atletas e funcionários do clube é maravilhoso. Quem ousou falar isso foi extremamente infeliz. Joguei em 4/5 grandes clubes do Brasil e mais de uma década fora. Não mudou nada, absolutamente nada. E olha que cheguei de helicóptero, já mordi o dedo do cara e tive personalidade para assumir meus erros. Cheguei aqui doido para falar isso para vocês e vou dar usar o gancho. Muitos profissionais aqui têm família, filhos e uma informação errada de vocês magoa. Eu prego uma situação dentro da minha casa e daqui a pouco saem notícias que colocam em xeque o meu caráter. Foram onze meses aqui dentro. Eu era um dos primeiros a chegar, pergunta para o pessoal da portaria. Algumas informações estão completamente erradas. Informações de chegar atrasado, de chegar bêbado. Isso vale para todos. Fica um apelo para vocês (jornalistas) que ao chegar um furo ou uma informação, por favor, chequem. Isso me incomodou. Tudo o que saiu, eu não fiz. Não falei nada porque sabia que teria uma hora certa para me defender. 
Motivo da demissão Essa situação das informações falsas me incomodou. Teve também as faixas dos torcedores que também me incomodaram. Tentei ajudar e não consegui. Não quero atrapalhar. 

Dificuldades de administração do elenco com Fábio Carille 
Estou aqui para me despedir, para agradecer. Não quero ser deselegante. Não posso falar sobre o clube. Vou respeitar o Coelho, o Duílio e não tenho mais autonomia para responder esse tipo de pergunta.

Facebook Lance Twitter Lance