Banco analisa situação financeira do Corinthians em 2019 como 'desastre'
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Banco analisa situação financeira do Corinthians em 2019 como 'desastre'

Andrés Sanchez
Andrés Sanchez prometeu deixar o clube melhor do que quando assumiu (Foto: Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians)
LANCE! - 29/07/2020 - 09:00
São Paulo (SP)
Na última terça-feira, o Banco Itaú BBA divulgou seu relatório anual sobre as finanças dos clubes brasileiros e a análise referente ao Corinthians não foi nada animadora. Segundo o texto publicado, o ano financeiro do clube em 2019 foi "desastroso", com expectativa de que 2020 seja igualmente complicado, além do alerta sobre o esforço "brutal" para que se alcance o reequilíbrio.

O balanço do Timão no ano passado foi fechado com R$ 177 milhões de deficit, que será corrigido a pedido do Conselho Fiscal do clube para R$ 195,4 milhões. Além disso, a dívida acumulada atingiu quase R$ 670 milhões, sem contar o financiamento da Arena. Algo que foi justificado pelo excesso de contratações e pela diminuição de receitas provenientes da venda de jogadores.

- Este é um roteiro típico daqueles filmes de catástrofe: tudo está bem quando tudo está bem. Daí, no ano em que não há vendas relevantes de atletas, pronto, a situação desanda - diz o relatório divulgado pelo banco.

- O problema se agrava porque os custos não param de crescer, porque o Social drena caixa do futebol, e porque o futebol é incapaz de obter eficiência nas contratações, vide o investimento de R$ 91 milhões sem sucesso esportivo relevante em 2019 - revela outro trecho do documento.

E MAIS:
Ainda de acordo com a análise do Itaú BBA, não se trata de uma excepcionalidade, já que é algo que vem se agravando há anos e que deve ser complicada novamente em 2020, cujo balanço do primeiro semestre apresentou um superavit de cerca de R$ 4,4 milhões, mas uma dívida acumulada de mais de R$ 900 milhões, mesmo com mais de R$ 142 milhões em repasses de direitos federativos e cortes salariais no futebol e no clube.

Sendo assim, a previsão é de que isso se repita por algum tempo, pelas elevadas dívidas que o clube tem acumulado há alguns anos, o que exigirá que o esforço para encontrar um equilíbrio nas finanças seja "brutal".

- Por mais que reduza custos e consiga fazer venda de atletas, a situação ao final do ano será complicada, pois o ano iniciou com dívidas elevadas, e o esforço necessário para o reequilíbrio será brutal, e acabará se arrastando por alguns anos - alerta a análise do banco.

Confira o relatório completou divulgado pelo Itaú BBA:

"Desastre à vista

Não podemos dourar a pílula: o ano de 2019 foi desastroso para o Corinthians sob o ponto-de-vista financeiro. E não foi um acaso nem o primeiro da série.

Ainda há problemas nas receitas, mas atualmente esta é uma questão menor. Ainda que o clube não alcance toda a bilheteria, ela está sendo usada para manter o estádio. A publicidade melhorou a já atinge níveis mais próximos ao potencial do clube. A TV é das maiores do Brasil. Ou seja, o problema está nos Custos e Despesas, que seguem crescendo em ritmo alucinante. E isto força o clube a buscar solução na venda de atletas. E este é um roteiro típico daqueles filmes de catástrofe: tudo está bem quando tudo está bem. Daí, no ano em que não há vendas relevantes de atletas, pronto, a situação desanda.

No caso do Corinthians o problema se agrava porque os custos não param de crescer, porque o Social drena caixa do futebol, e porque o futebol é incapaz de obter eficiência nas contratações, vide o investimento de R$ 91 milhões sem sucesso esportivo relevante em 2019.

Com isso o que resta é o aumento do endividamento, atrasos, renegociações. Problemas. E para piorar, no meio de uma pandemia. Importante ressaltar que não é um problema que começou agora, mas a deterioração vem se intensificando há alguns anos.

Por mais que reduza custos e consiga fazer venda de atletas, a situação ao final do ano será complicada, pois o ano iniciou com dívidas elevadas, e o esforço necessário para o reequilíbrio será brutal, e acabará se arrastando por alguns anos.

Este é o ponto: não dá mais para repetir que “o futebol é diferente”. Não é. Algum momento a conta chega, salgada e sem crédito no cartão. O resultado nesses casos costuma ser mais que ter que lavar pratos, e os exemplos estão na frente de todos. O cuidado é justamente não se transformar em sinônimo de exemplo ruim"


Facebook Lance Twitter Lance