Leco explica por que votaria contra uso do árbitro de vídeo no Brasileiro
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Leco explica por que votaria contra uso do árbitro de vídeo no Brasileiro

Coletiva - Leco São Paulo
leco alegou problemas pessoais e não votou na reunião de segunda (Foto: Marcello Fim/Raw Image/Lancepress!)
William Correia e Yago Rudá - 07/02/2018 - 20:43
São Paulo (SP)
O presidente Carlos Augusto de Barros e Silva chegou ao Morumbi nesta quarta-feira, para o jogo entre São Paulo e Bragantino, e se posicionou publicamente a respeito do veto ao uso de árbitro de vídeo no Campeonato Brasileiro deste ano. Leco alegou problemas pessoais e não votou na reunião de segunda-feira, na sede da CBF, mas é contrário à implantação imediata da medida porque crê que ainda faltam testes.

- O São Paulo é, em tese, a favor do árbitro de vídeo. Mas entendeu que, neste momento, a aprovação não é a melhor medida porque é um procedimento de grande repercussão e envergadura. Precisa passar por alguns momentos e etapas de implementação, aprovação, ajustes, coisa que se entendeu que acontecerá na parte final da Copa do Brasil, além da Copa do Mundo - indicou o dirigente.

- Da forma como foi apresentada, e neste momento, não convém que seja aprovada. Precisa passar por outros procedimentos. Mas o São Paulo é favorável e entende que é um aprimoramento, uma qualificação no processo de arbitragem importante para um futebol da envergadura do Brasil - prosseguiu o mandatário do Tricolor.

Na segunda-feira, como Leco saiu mais cedo da reunião por problemas particulares, o São Paulo foi o único que se absteve da votação sobre o árbitro de vídeo. A ideia, analisada por todos os representantes da Série A, foi reprovada por 12 clubes (Corinthians, Santos, América-MG, Cruzeiro, Atlético-MG, Atlético-PR, Paraná, Vasco, Fluminense, Sport, Vitória e Ceará) e teve o aval de sete (Flamengo, Botafogo, Bahia, Chapecoense, Palmeiras, Grêmio e Internacional).

Leco indicou ainda que o aspecto financeiro pesa no posicionamento de ser contrário à implantação do árbitro de vídeo já no próximo Campeonato Brasileiro. A CBF indicou que os custos com a inovação seria dividido entre os clubes, tornando-se um obstáculo a mais para a aprovação do presidente do São Paulo.

- Esse é outro aspecto. No momento em que isso seria implementado, com custos expressivos, a cargo dos clubes, representaria um ônus, um peso muito grande. E não apenas para os clubes considerados grandes, mas para todos os clubes integrantes do sistema. Também por esse aspecto, entendi que não é o momento adequado para fazer a aprovação - explicou.

E MAIS:
icone-carregar-comentCreated with Sketch.
CARREGAR COMENTÁRIOS
Facebook Lance Twitter Lance