Com Santos unido por reação, Jair irá conversar com Rodrygo sobre assédio
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Com Santos unido por reação, Jair irá conversar com Rodrygo sobre assédio

Jair Ventura e Rodrygo
Futebol de Rodrygo interessa ao Barcelona e ao Real Madrid, que está à frente para levá-lo (Foto: Ivan Storti/Santos)
Ana Canhedo e Gabriela Brino - 08/06/2018 - 15:55
Santos (SP)
O Santos venceu o penúltimo jogo, contra o Vitória, e empatou o último, contra o Corinthians. A melhora no rendimento, segundo Jair Ventura, é resultado da união do grupo em meio à crise. E para que nada atrapalhe o Alvinegro nos próximos jogos, o técnico pretende conversar com o atacante Rodrygo, de 17 anos, que está próximo de ser vendido ao Real Madrid e também despertou o interesse do Barcelona, que já teve uma proposta recusada pela diretoria alvinegra. 

- Muito particular essa situação. Dúvida boa Barcelona ou Real Madrid. O melhor para ele será o melhor para todos. Ainda não conversei, tem nada certo, não passaram nada para a gente. Vou conversar e que ele continue com a cabeça boa, que é o mais importante. Qualquer proposta mexe muito com a gente, imagina para um menino de 17 anos. Que possa continuar sendo a mesma pessoa, que é o mais importante. Quando me tornei treinador em 2016, disse que ia mudar, que seria treinador, mas que poderiam cobrar que seria a mesma pessoa. Falam muito para dar poder para ver quem o homem é. Tento ser o mesmo nas coisas boas e ruins - disse o treinador, durante entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira, no CT Rei Pelé, que ainda disse: 

- E tem que ser assim na venda do Rodrygo e todos os profissionais em ascensão. Falei o que vou falar mais ou menos para ele. Desejo o melhor e lá na frente, quando chegar na Seleção, vou ficar feliz sobre ser o primeiro treinador. Vida do treinador tem essa parte boa, pegar um jovem em ascensão, e céu é o limite para ele pela qualidade. Poder trabalhar com esse jovem é muito gratificante. Vai ser marcante para a minha vida participar disso.

E justamente "ser a mesma pessoa nas horas boas e ruins" foi o alicerce de Jair para enfrentar a crise no Santos. Segundo ele, o segredo foi a união do grupo diante das derrotas e das cobranças. 

- Falei de ser sempre a mesma pessoa. Em crise ou não. Como líder, um treinador, passa a ser referência. Se abater, grupo sente. Tem que saber reagir. Me preparei muito para esse momento, não virei treinador da noite pro dia. Estou há quase dois anos e sei que chegaria esse momento. Em 2016, eleito revelação e segundo melhor, não achei o melhor. Agora, com 5 jogos sem vencer, não achei o pior. E vou lidar sempre assim - ponderou, e foi além: 

- Nos unimos, jogadores se uniram. Os únicos responsáveis éramos nós e fizemos por merecer. Nos unimos, trabalhamos. A bola não vinha entrando. A situação incomodava a todos. E conseguimos. Mesmo que momentaneamente, vemos atitude, postura diferente, principalmente jogando fora, algo que todos cobravam. A gente não tinha pontuado fora de casa. Merecemos ganhar do Corinthians. Vamos continuar nessa batida para aliar bom desempenho com as vitórias - finalizou. 

O próximo jogo do Santos é neste domingo, contra o Internacional, às 19h, na Vila Belmiro, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. 

E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance