Palmeiras recebe bônus da Crefisa por vaga na Libertadores
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Palmeiras recebe bônus da Crefisa por vaga na Libertadores

Maurício Galiotte
Leila Pereira, dona da Crefisa, e Maurício Galiotte, presidente do Palmeiras (Foto: Cesar Greco)
Fellipe Lucena - 07/12/2017 - 08:00
São Paulo (SP)
Os títulos não vieram, mas o vice-campeonato nacional e a conquista de uma vaga na próxima Copa Libertadores garantiram um fim de ano farto ao Palmeiras: além do prêmio de R$ 11,3 milhões oferecido pela CBF ao segundo colocado do Brasileirão, o clube recebeu R$ 4 milhões de bônus da Crefisa por se garantir na competição continental do ano que vem.

Este aditivo estava previsto no contrato de patrocínio. Mensalmente, o Verdão já recebe R$ 6,2 milhões de sua parceira - R$ 6 milhões pelo patrocínio e R$ 200 mil para auxiliar no pagamento dos salários de Borja.

Até o momento, o Palmeiras não solicitou a ajuda da Crefisa para fazer contratações para 2018, mas ainda deve fazê-lo. Apesar de acumular cerca de R$ 50 milhões de superávit neste ano, o clube não tem tanto dinheiro em caixa para gastar com reforços. 

Lucas Lima, por exemplo, deve receber 5 milhões de euros (R$ 19 milhões) pela assinatura do contrato. Galiotte declarou na terça-feira que a patrocinadora teve participação na contratação do ex-santista, mas o clube explicou na sequência que isso ainda não está definido. A expectativa no Palestra Itália é de que as partes tratem do assunto ainda neste mês e que a Crefisa colabore.

Independentemente de quem pagar, não há chance de Lucas Lima não defender o Palmeiras em 2018. Ele assinou contrato com duração de cinco anos, a partir de 1º de janeiro.

O zagueiro Emerson Santos e o lateral-esquerdo Diogo Barbosa são os outros reforços já confirmados pelo clube, que também tem acordo com o goleiro Weverton. Neste caso, porém, resta definir qual será a compensação recebida pelo Atlético-PR para que ele seja liberado já em janeiro e não tenha que esperar o fim de seu vínculo, em maio, para começar a treinar na Academia.

O foco do presidente Maurício Galiotte é zerar as dívidas, sendo que a maior delas, com Paulo Nobre, já caiu de R$ 146 milhões - sem contar os atletas comprados com dinheiro dele - para cerca de R$ 20 milhões.

E MAIS:
icone-carregar-comentCreated with Sketch.
CARREGAR COMENTÁRIOS
Facebook Lance Twitter Lance