Técnico do América revela obsessão pela Série A: 'Para voltar às origens'
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Técnico do América revela obsessão pela Série A: 'Para voltar às origens'

Treinador do América
Ney Barreto revela 'obsessão' pelo retorno do América para a Série A do Carioca | Marcio Menezes / América-RJ
Rafael Arantes - 09/10/2019 - 09:10
Rio de Janeiro
São menos de três meses no comando da equipe profissional do América, mas nada que faça Ney Barreto se esconder da árdua missão de levar o tradicional clube de volta à elite do futebol carioca. Às vésperas da decisão da Série B1 do Carioca, contra o Friburguense, o treinador alvirrubro se divide em dois grandes objetivos no comando do Mecão: a grande final de sábado e a classificação para a Série A, que estará em jogo a partir de dezembro, na Seletiva do Cariocão. Já classificados para o classificatório do Estadual, o América ainda tem a chance de garantir o bicampeonato da Segundona, fato que é visto com tamanha importância pelo treinador.

- A expectativa pelo título é grande. Mesmo tendo sido campeões ano passado, falando pela grandeza do clube, a gente entende o quão é importante voltar a jogar a Série A do Carioca. A curto prazo, nosso foco é no título deste sábado, a gente está jogando pra isso, vamos enfrentar uma equipe bem difícil, mas não escondemos nosso grande objetivo. A gente sabe das dificuldades da Seletiva, sabemos que é uma competição muito dura. A equipe precisa estar com a cabeça muito boa para um torneio tão complicado, de seis times para duas vagas. Temos que ter os pés do chão, ciente das dificuldades, mas colocando isso como objetivo principal, quase como obsessão. O América, pela sua grandeza, precisa jogar a elite do futebol carioca - disse ao L!

Mas nem só na final da Série B1 está a cabeça dos americanos. Já de olho na possibilidade de retornar à elite do Campeonato Carioca, o treinador faz uma forte análise na hora de enumerar os pontos a serem melhor desenvolvidos pelo clube na hora de pensar numa evolução dentro do futebol. De olho nas categorias de base, Ney confia na reestruturação do setor de futebol do clube como um dos diferenciais na hora de projetar um ressurgimento do América no cenário nacional.



- O América tem uma história muito bonita, de 115 anos, de sete títulos cariocas. Precisamos voltar às origens, saber qual foi o melhor América de todos os tempos e usar isso como modelo. Achar as características desse exemplo e fazer com que o clube tenha um DNA, uma digital. Isso é fundamental para que o América possa voltar aos anos dourados. Eu gosto de falar da minha área, do futebol. Em relação a isso, acho que a grande reestruturação que pode ser feita é no futebol de base. Temos uma categoria de base muito forte, que merece ser reorganizada para voltar a revelar atletas, até para o nosso próprio elenco profissional. Isso pode dar um retorno tanto esportivo como financeiro pro clube - analisou.

Treinador do América
Técnico está há menos de três meses no comando da equipe alvirrubra e sonha com vaga na Série A | Marcio Menezes / Divulgação América
E se Ney não esconde o orgulho de fazer parte da história do América, o treinador também faz questão de exaltar a força da torcida alvirrubra. Segundo o treinador, a apaixonada torcida americana ainda conta com o apoio dos torcedores dos demais clubes da cidade. Para ele, o fato é um dos diferenciais do clube na hora de planejar um melhor aproveitamento da "marca" no cenário do futebol nacional.

- É um clube muito querido, muitas chamadas dizem até que é o mais querido. Os próprios torcedores dos outros clubes têm um carinho pelo América. É o América mais tradicional do Brasil. E até por todo esse apelo a gente precisa explorar mais essa marca. Mas até pra valorizar isso precisamos estar na elite do futebol carioca e voltar a disputar campeonatos nacionais. Temos que buscar isso com todas as forças. Conseguir a reestruturação do nosso clube, termos condições de trabalho para todos os nossos funcionários e ter o nosso clube de volta ao cenário nacional - acrescentou.

Técnico levanta bandeira da representatividade

Mesmo com a cabeça totalmente voltada para a decisão da Série B1, o treinador não abre mão de reforçar uma questão muito importante dentro de um ponto de vista nacional. Um dos poucos técnicos negros do país, Ney faz questão de ligar o alerta para a falta de espaço para os negros em cargos de maior destaque no futebol. Se há dez anos, Andrade era o primeiro negro a conquistar um título Brasileiro como técnico, com o Flamengo, no cenário atual, poucos são os nomes em atividade à beira do gramado, fato bastante lamentado pelo comandante do América.

- É muito triste, mas que serve como reflexão. São situações que cabe uma análise muito maior. Se você parar para pensar, entre os dez maiores brasileiros, entre cinco e seis são negros. Temos mais de cem anos de Seleção Brasileiro que nunca teve um treinador negro. Será que os negros não estão capacitados pra isso?! Será que não servimos para ter um cargo de liderança?! Se você pega o Campeonato Brasileiro, dos 20 clubes, acho que só o Marcão, do Flu, e o Roger, técnico do Bahia, é negro. Se levarmos para a Série B também não consigo lembrar de nenhum. É um caso pra se pensar. Não dá para nos vitimizarmos por isso. Não dá para ser treinador só por isso, temos que nos capacitar e mostrar o nosso valor. Isso não é só futebol, é uma sociedade - finalizou.

A partida decisiva entre América e Friburguense acontece às 15h deste sábado, no Estádio Moça Bonita, em Bangu.


Facebook Lance Twitter Lance