Emocionado, Tinga relembra dificuldades para se tornar jogador de futebol
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Emocionado, Tinga relembra dificuldades para se tornar jogador de futebol

Tinga anuncia saída da gerência de futebol do Cruzeiro
Foto: Angel Drumond/Cruzeiro
Futebol Latino - 28/09/2019 - 10:43
Rio de Janeiro (RJ)
O ex-jogador e também dirigente Tinga deu uma entrevista bastante versátil ao programa de TV O Grande Círculo, veiculado mensalmente no canal fechado SporTV.

Isso porque houve a abordagem tanto de temas mais sensíveis e capazes de emocionar o nome com marcante registro na história de grandes equipes como Grêmio, Internacional, Cruzeiro e Borussia Dortmund como também motivador de grandes risadas e histórias até então desconhecidas.

Falando sobre as dificuldades que enfrentou por toda a vida para se tornar jogador (e também quando já havia atingido o nível profissional), Tinga fez um paralelo com outros aspectos da sociedade como, por exemplo, a sensação de intolerância:




-->
E MAIS:
-Eu tinha tudo para dar errado. Eu venci uma boa parte na vida, que foi no futebol, e quero seguir vencendo. Meu vencer, hoje, é mostrar pras pessoas que é possível, cara. Às veres, estamos discutindo coisas que não vão nos levar a lugar nenhum. A gente chegou nesse lugar sem nada e vai sair daqui sem nada. Vamos pensar um pouco mais nas coisas que estão acontecendo ao nosso redor, cara.

No momento mais "leve" da entrevista, ele relembrou toda a repercussão do pênalti não marcado diante do Corinthians no Brasileirão de 2005, ano que o Inter foi vice-campeão com a equipe paulista levantando a taça, além de mencionar o curioso detalhe de ter se tornado vizinho do árbitro da partida em questão, o já aposentado Márcio Rezende de Freitas.

- Se fosse campeão, a chance de jogar a toalha no outro ano era grande. Os corintianos às vezes brincam comigo, e eu digo: “Cara, eu te agradeço, tu me deu uma Libertadores e deu um Mundial pro Inter”. Ele (Márcio Resende) era meu vizinho de condomínio em Belo Horizonte. A gente ia no mesmo restaurante, e eu dizia pro pessoal: “Fala que eu vou pegar ele”. Aí fui ver ele dois anos depois de estar em Belo Horizonte. Um dia, cheguei nesse restaurante, ele abriu uns olhões, e fui lá e dei um abraço nele. Ele falou: “Pô, o pessoal falou que tu queria me pegar”. E eu: “Pegar o quê, rapaz? Tu me deu uma Libertadores, deu o Mundial pro Inter” - contou Tinga.

A exibição da entrevista na íntegra acontecerá nesse sábado (28) às 22h30 (horário de Brasília).

Facebook Lance Twitter Lance