'O contraste entre clubes-empresas e associações ficará mais nítido', diz deputado Pedro Paulo
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

'O contraste entre clubes-empresas e associações ficará mais nítido', diz deputado Pedro Paulo

Deputado Pedro Paulo recebe o Lance!
'Clubes que possuem déficit gigantesco tendem a ficar para trás', diz deputado federal (Foto: Rafael Arantes/Lancepress!)
Vinícius Faustini - 22/04/2020 - 07:25
Rio de Janeiro (RJ)
O forte impacto no gramado devido à pandemia do novo coronavírus deixa mais latente a expectativa de uma mudança de rota no futebol brasileiro. Relator do projeto do clube-empresa (que foi aprovado na Câmara), o deputado federal Pedro Paulo (DEM-RJ) não esconde que o futebol continuará a encarar realidades diferentes em toda a sua estrutura. 

- Na Primeira e na Segunda Divisão, já vemos agremiações que carecem de uma estrutura mais empresarial e precisarão de uma ajuda maior. O problema ficará maior entre clubes que, antes mesmo da pandemia, já enfrentavam grandes problemas financeiros - disse.

Ao LANCE!, o parlamentar discorre sobre a maneira como o Governo vem socorrendo os clubes neste momento difícil e aponta como o projeto de clube-empresa terá de lidar com a pandemia do novo coronavírus.


LANCE!: Quais são os caminhos para os clubes brasileiros voltarem a se estruturar diante dos tempos difíceis de uma pandemia?

Deputado Pedro Paulo: Primeiramente, é necessário fazer uma divisão entre clubes das Séries A ou B e os milhares de clubes recreativos que basicamente são centros de lazer, mas têm pessoas empregadas. Já na Primeira e Segunda Divisão nacional, por exemplo, vemos agremiações que carecem de uma estrutura mais sólida, e vão necessitar de um recurso de capital de giro para se reestruturar e voltar a conseguir a competitividade que tinham em outros momentos. Sem dúvida, haverá muitos desafios em relação a pagamento de parcelas do Profut e, assim, conseguirem novas perspectivas.

L!: A linha de crédito foi um caminho encontrado para o Congresso contribuir com os clubes diante dos efeitos desportivos causados pelo novo coronavírus. Qual tem sido a importância dela?

Cada caso é um caso. O Flamengo, que conseguiu consolidar sua estrutura financeira, utilizou a linha de crédito estritamente para garantir seu fluxo de caixa. Porém, ela é relevante para que clubes garantam seus funcionários empregados, com carteira assinada. Uma coisa também crucial neste momento é que os clubes consigam novo refinanciamento das parcelas no Profut e possam honrar seus compromissos.

L!: Mesmo com o projeto de clube-empresa ainda a ser avaliado no Senado, algumas agremiações já mostraram interesse nesta mudança. Crê que, no cenário pós-pandemia, haverá novas preocupações?

Por mais que seja difícil projetar grandes mudanças, em especial no momento que o mundo atravessa, a hora é de dialogarmos internamente e sabermos quais são os próximos passos a tomarmos. Estamos confiantes que conseguiremos aprovar o projeto de lei do clube-empresa no Senado.

L!: Como atrair investidores em um cenário tão delicado quanto o desta pandemia?

De fato, é muito difícil. Acredito que o caminho do clube clube seja acessar o crédito subsidiado e, aí, sim, manter um nível de reestruturação. Mas isto vai depender da maneira como agirá cada diretoria.

L!: O clube-empresa será a saída para muitas agremiações reagirem?

Acredito que sim. Quando chegarmos ao pico da crise (do novo coronavírus), ficará mais evidente o contraste em relação aos clubes que não adotaram este modelo. Clubes que sofrem com déficit gigantesco e mantêm o formato de associações tenderão a ficar para trás. O discurso terá de mudar e ficar voltado para uma gestão mais profissional.

E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance