Com contradição, Alerj aprova lei que prevê árbitro de vídeo no Carioca
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Com contradição, Alerj aprova lei que prevê árbitro de vídeo no Carioca

Conmebol testará o árbitro de vídeo nas semifinais e finais das Copas Libertadores e Sul-Americana
(Crédito: Divulgação)
LANCE! - 05/12/2017 - 16:32
Rio de Janeiro (RJ)
A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro aprovou nesta terça-feira a utilização do árbitro de vídeo em jogos do Carioca. Mas há uma contradição. O texto uma hora cita que se trata de uma determinação, mas em outro ponto trata o projeto como autorizativo, o que facultaria à Ferj a decisão de adotá-lo ou não.

- Temos que resolver uma contradição no projeto. A ementa diz "determina a obrigatoriedade do uso". O artigo 1 diz que "fica determinado o uso de árbitro de vídeo". Mas no artigo 5 diz: "O árbitro de vídeo, de que trata esta lei autorizativa..." A CCJ fez uma salada de fruta. Porque este projeto era autorizativo. O relator quis transformar em determinativo. Mas manteve o artigo 5, que quis que é autorizativo. Uma lei não pode ser determinativa e autorizativa simultaneamente - ponderou o deputado estadual Luiz Paulo (PSDB).

Mesmo com esse argumento, o placar foi de 29 votos favoráveis, 13 contrários e sete abstenções. Alguns deputados decidiram se abster por entenderem que a Alerj não deveria legislar sobre o assunto.

- Independentemente de ser autorizativa ou determinativa, tem algo que antecede ao debate que é se essa Casa ou não tem que legislar sobre esse assunto. A bancada do PSOL se abstém porque entende que não deveria ser assunto para esta casa, ainda mais com erro de não dizer se é autorizativo ou determinativo. Aí que não dá para votar mesmo - comentou o deputado Marcelo Freixo (PSOL).

Autor do projeto, o deputado Samuel Malafaia (PSB) reconheceu a contradição, mas jogou para o governador Luiz Fernando Pezão - que precisará sancionar o texto - a responsabilidade de corrigir o equívoco.

- Houve a contradição na hora que foram apresentadas as emendas, mas o governador pode corrigir, de um lado ou de outro. Em relação, o legislador está aqui para fazer lei onde há bagunça, desordem na sociedade, para que ela possa se organizar e não veja o caos acontecer - disse ele, tentando justificar a iniciativa de legislar sobre o futebol.

O deputado Chiquinho da Mangueira (PTN) ainda ressaltou a dificuldade de custear um projeto como árbitro de vídeo.

- Estamos nos metendo em um campo que não é o nosso. Temos que saber quanto custa isso para o jogo. Nem a CBF consegue fazer. Imagina as Federações. Isso não é viável - disparou.

O documento ainda prevê que os times tenham a permissão de paralisar o jogo por até cinco vezes em cada tempo.

icone-carregar-comentCreated with Sketch.
CARREGAR COMENTÁRIOS
Facebook Lance Twitter Lance