Assédio no futebol: A importância de falar e conscientizar jovens atletas
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Assédio no futebol: A importância de falar e conscientizar jovens atletas

Chega de Abuso no Futebol
Reprodução/Instagram
Thaynara Lima - 23/08/2017 - 08:00
São Paulo (SP)
Um dos grandes tabus da sociedade, o abuso sexual também é um assunto pouco tratado no mundo esportivo. No futebol, principalmente. Um tópico importante, cujas denúncias envolvem mais que uma acusação: medo, julgamentos, preconceito e a repercussão que muitas vezes pode ser negativa ao denunciante, podendo prejudicar até mesmo a continuidade da profissão escolhida.


Denunciar um caso de assédio não é fácil na sociedade, seja homem ou mulher. No futebol, as coisas parecem ser um pouco mais difíceis, visto que o esporte ainda carrega o caráter forte de um ambiente machista e homofóbico. Uma denúncia deste tipo pode recair sobre o denunciante como forma de zombaria, dúvidas sobre sua sexualidade e também uma culpabilização da vítima, que é muito comum em casos de assédio.

Aleksander Montrimas, ex-goleiro e autor do livro Futebol – Sonho ou Ilusão?, que trata o assunto assédio no futebol, está em parceria com o Sindicato de Atletas de São Paulo (SAPESP) realizando palestras nas bases dos clubes de futebol paulistas. A palestra Chega de Abuso no Futebol trata temas como assédio sexual, moral e educação dos jovens atletas.

― Jogar futebol por 20 anos e ver muita coisa errada prejudicar a mim e aos meus colegas, me fez ter a ideia do livro ― contou Alê, que posteriormente sugeriu a realização das palestras ― Levei um projeto junto ao sindicato, eles gostaram e assinamos contrato para dar as palestras nos clubes da capital e estado.

As palestras ministradas por Alê Montrimas, no entanto, não funcionam com o propósito de realizar denúncias. O intuito é falar da educação do atleta fora dos campos, criar um ambiente favorável ao ser humano atleta, conscientizá-lo sobre o assédio e torná-lo hábil a outras atividades.

― Mostrar aos jovens atletas que através do estudo eles têm mais chances de uma carreira bem sucedida. Mudar a mentalidade e abrir a cabeça do atleta para o mundo. Fazer com que ele não fique só no mundo do futebol, tornando-o melhor preparado para a vida, dentro e fora de campo. ― explica Alê, que frisa também a importância do atleta compreender que o assédio é algo condenável ― A ideia não é denunciar ninguém, é fazer que o atleta entenda que isso não faz parte do futebol. Orientá-lo a como não cair em uma armadilha dessa e fazer com que os abusadores se sintam cada vez mais pressionados, afastando esse tipo de gente do futebol.

O objetivo das palestras vai além da discussão sobre assédio, visando também a conscientização dos atletas com relação aos estudos. No entanto, ainda assim ela é considerada polêmica. As palestras começaram no interior de São Paulo, mas já chegaram a capital. Na última terça (22), os jovens do Corinthians receberam Alê Montrimas.

― Como o tema é bastante polêmico e a blindagem aos atletas da base é muito grande, temos encontrado maior aceitação nos clubes do interior paulista. As palestras foram ministradas em Ribeirão Preto, no Comercial e Botafogo, em Americana no Rio Branco e em uma escola de Goleiros da cidade e em São Paulo, na Portuguesa ― contou Eduardo Pinella, diretor do SAPESP.

Eduardo Pinella conta, também, que o sindicato não tinha uma estratégia de conscientização do assunto, considerado um tabu. Nenhuma denúncia relacionada ao tema foi direcionada a eles. Hoje o sindicato tem um protocolo para denúncias, que envolve encaminhamento às autoridades policiais e incentivo à cooperação de pais, atletas e possíveis testemunhas.

― Nossa atitude após o recebimento de alguma denúncia será o encaminhamento do caso à polícia esclarecendo ao atleta e aos pais que será de fundamental importância sua oitiva e descrição dos fatos, se possível com narrativas de mais vítimas que tiverem sido abusadas pelo denunciado, aumentando as probabilidades de condenação, eliminando mais um abusador do meio esportivo. ― explicou Eduardo Pinella.

Atualmente a palestra Chega de Abuso no Futebol acontece apenas no estado de São Paulo. Alê conta que para as palestras alcançarem outros estados do Brasil, seria necessário um apoio, como o dado pelo Sindicato de Atletas de São Paulo.

― Para atuar em outros estados precisamos de apoiadores, por conta dos custos da campanha. Assim poderíamos atender e orientar milhares de jovens e usar o futebol para o bem deles.

icone-carregar-comentCreated with Sketch.
CARREGAR COMENTÁRIOS
Facebook Lance Twitter Lance