Novo aplicativo de recrutamento de jogadores promete inovação na base
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Novo aplicativo de recrutamento de jogadores promete inovação na base

Dreamstock tem Flamengo, Coritiba e Vitória como clubes parceiros
Dreamstock tem Flamengo, Grêmio e Coritiba como clubes parceiros (Foto:Divulgação)
Gabriel Santos* - 15/05/2019 - 09:55
São Paulo (SP)
Muitos jovens jogadores sofrem com as dificuldades em ter uma chance no competitivo mundo do futebol. Para facilitar essa entrada, Marcelo Matsunaga criou o aplicativo Dreamstock, ativo desde julho de 2017, que utiliza vídeos de jogadores cadastrados no app para apresentar à clubes parceiros da plataforma, como Flamengo, Grêmio e Coritiba.

O LANCE! entrevistou Matsunaga, que teve a ideia de criar essa nova ferramenta para o desenvolvimento dos jogadores. Perguntado se a tecnologia inovadora veio para ficar, o criador do Dreamstock comparou o aplicativo a serviços como Uber e Linkedin. 

- Como muitos outros serviços do tipo mídia, Uber, LinkedIn, Google, etc, a tendência de adaptação à tecnologia está naturalmente estendendo as áreas de aproveitamento. Não digo que a tecnologia irá substituir a prática tradicional, porém, poderá trazer bastante eficiência ao mercado - declarou.



Como surgiu a ideia do aplicativo? Você teve alguma inspiração em outros aplicativos, conte um pouco desse processo.

A Dreamstock surgiu através da minha própria experiência, na qual sonhava me tornar um jogador profissional. Muitas vezes, os sonhadores muito talentosos não conseguem realizar seus objetivos por problema financeiro, ou por estarem distantes dos clubes, assim não podendo se expor no mercado do futebol. Com a chegada dos smartphones, eu comecei a acreditar que conseguiria mudar esta realidade utilizando a tecnologia e desenvolvi a plataforma Dreamstock.

Como é feita a parceria com os clubes? Poderia nos contar como funciona?

​A Dreamstock entra em contato com os clubes e apresenta a função do aplicativo. Quase sempre os clubes se interessam em encontrar talentos através da plataforma, pois existe uma eficiência muito grande nesta filtragem. Acreditamos que conforme conseguirmos realizar contratações e transferências bem-sucedidas, o interesse pelo lado dos clubes irá aumentar, e então mais clubes entrarão em contato conosco para utilizar nosso serviço.

Existe algum plano de levar o aplicativo para o exterior? Sabemos que os clubes de fora do Brasil, principalmente os asiáticos, possuem convênios com grandes clubes brasileiros. Pode acontecer alguma parceria deste tipo?

Nosso aplicativo foi lançado de maneira global, e já temos usuários em 54 países do mundo. A grande maioria, naturalmente, surgiu do Brasil, por isso decidimos focar no mercado brasileiro. No momento não existe nenhum canal de comunicação direta entre os clubes, mas a Dreamstock, como intermediária, está sempre buscando essa possibilidade de encontrar oportunidades no exterior para os jovens talentos.

Marcelo Matsunaga
Marcelo Matsunaga é o criador do Dreamstock (Foto:Reprodução)
Vocês possuem funcionários no Brasil e também no Japão. Como funciona esse processo de integração?

A integração se dá no modelo matriz e subsidiária. No Japão temos a equipe de gestão, TI e estratégia. Em São Paulo, temos a equipe focada no conteúdo, que tomam conta dos vídeos, filmagem, negociação com os clubes, etc. Em Tóquio fica o CEO e o CSO, ambos brasileiros criados no Japão, e a comunicação em comum na empresa é o português brasileiro.

Algum atleta que utilizou a plataforma conseguiu assinar contrato, ter uma chance no mundo do futebol?

Já temos casos em que os jogadores conquistaram um contrato através de nossa plataforma.

Você acredita que esse será o futuro de recrutamento dos jogadores, ao invés da tradicional peneira?

Como muitos outros serviços do tipo mídia, Uber, LinkedIn, Google, etc., a tendência de adaptação à tecnologia está naturalmente estendendo as áreas de aproveitamento. Não digo que a tecnologia irá substituir a prática tradicional, porém, poderá trazer bastante eficiência ao mercado.

Vocês recebem alguma comissão quando um jogador vindo da plataforma assina o vínculo com o clube? Como funciona essa questão financeira?

A fonte de renda da Dreamstock é através de propaganda, e em breve adicionaremos a função de intermediário.

Quais são os futuros planos da plataforma? Você acredita que essa sua ideia pode abrir caminho para novas possibilidades no futebol brasileiro?

A plataforma adquiriu a licença de intermediário da CBF e da JFA (federação de futebol japonesa) recentemente. Agora ela está preparada para intermediar novos talentos de todo o Brasil, ajudando-os a realizarem seus sonhos de encaminhar sua carreira profissional em clubes do mundo inteiro.

*Sob a supervisão de Marcio Monteiro

Facebook Lance Twitter Lance