Luis Spadetto: dos campos para trilhar sólido trabalho como diretor técnico do Chievo Verona, da Itália
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Luis Spadetto: dos campos para trilhar sólido trabalho como diretor técnico do Chievo Verona, da Itália

l
Luis Spadetto está se destacando como diretor técnico do Chievo Verona, da Itália-(Divulgação)
Anderson Gonçalves Valinor Conteúdo - 13/07/2020 - 16:49
BH
O futebol é uma “caixinha de surpresas”. Dito o velho chavão do mundo da bola, ele se aplica à vida e carreira de Luis Spadetto, de 31 anos, que de promissor atacante pelos lados do campo, veloz e sempre abrindo as defesas, passou para uma carreira fora dos gramados que já chama atenção, pois mesmo com pouca idade, já é conhecido e reconhecido em centros grandes do futebol: Portugal e Itália.

Como atleta, Spadetto, natural de Alegre, no Espírito Santo, passou pela base do Atlético-MG, Internacional, Botafogo. No profissional, atuou por sete anos em Portugal na Série A e Série B, no Beira Mar, Boavista e Varzim. Porém, uma série de lesões, abreviaram a carreira de jogador, mas por se interessar pelo jogo e tática, não abandonou o futebol, buscando conhecimento para ser treinador.

Após deixar os gramdos resolveu abraçar a carreira de treinador no Brasil, começando pelo Rio Branco-ES, Boca Juniors-SE. Depois ,Luis fez cursos na UEFA e conseguiu a licença B de técnico da entidade, sendo um dos mais jovens do continente a ter esse certificado. Com  a experiência no Brasil, recebeu convite para ser auxiliar no Vizela, de Portugal. Essas experiências ajudaram a incrementar seu nome no Velho Continente, até chegar ao Chievo Verona, equipe da Série B Italiana, onde é diretor técnico do clube.

-A virada para treinador foi pelas lesões. Foram muitas musculares. Eu fiz de tudo, os clubes fizeram para resolver os problemas físicos. Daí, segui no futebol pela paixão. Pois, nunca descobri o que tinha de fato, Até hoje-contou Luis, que falou com a reportagem em sua casa, na Itália, onde mora com a esposa e filha.

O agora treinador tem dupla cidadania(brasileira e italiana) o que ajudou na sua estada na Europa. Ele conta que o tempo fora dos gramados devido às lesões observava muito os treinos aplicados, o que aguçou seu olhar e o deixou mais conhecedor do jogo.

-Acredito que as coisas não acontecem por acaso. Você não imagina quantas vezes fiquei observando treinos. Conversando com o treinador, preparador físico. E isso me ajudou muito na migração de carreira. Portugal foi minha escola. Agora, estou na Itália, onde aprendo muito também, principalmente na parte tática defensiva e o jogo em si- contou Spadetto.

E, a juventude pode ser um aspecto que colabore com a fácil assimilação dos conceitos europeus, mas Luis Spadetto não abre mão do jeito brasileiro de jogar.

-Eu entregar a bola para o adversário para ele ser o protagonista não passa pela minha cabeça. Para mim, a melhor forma de se defender do rival é ficar mais com a bola. Vejo o jogo muito assim. Tem de ser com a posse de bola. Aqui na Itália, estou aprendendo bem a parte defensiva, mas eles estão começando a me ouvir sobre a ofensiva.

Apesar de ter formatado sua carreira de treinador em clubes de centros menos badalados no Brasil, os bons resultados chamaram a atenção dos portugueses, coreanos e por fim, italianos, onde se encontra o jovem treinador.


E MAIS:
Convites da Europa surgiram com o bom trabalho no   Boca Juniors-SE.

-Tive o  convites para voltar à Europa enquanto estava no Boca-SE. Os bons resultados opr aqui que geraram propostas da Coreia e do Japão, mas eu recusei para ficar novamente em Portugal, onde fiz o curso de técnico da UEFA. Fiquei um ano na Itália, onde aprimorei meus estudos e fiquei de treinador auxiliar. Ai, veio um fator familiar. Minha filha estava para nascer e uma pessoa do Chievo Verona me contatou e perguntou se eu queria passar um tempo no clube. E daí, tudo aconteceu. Tudo ocorre bem. Sou o diretor técnico do clube e estive no staff da equipe principal- disse Luis, que revelou ter recebido sondagens de times brasileiros.

-Eu fico mais um ano aqui no Chievo Verona. Mas, tive propostas para treinar clubes nos estaduais e times de base. Mas, a pandemia e também minha pretensão é ficar aqui mais tempo.

Spadetto comentou da sua entrada no futebol europeu e como isso é complicado, pois mesmo o futebol brasileiro ser vencedor, os profissionais de fora de campo têm menos reconhecimento e a conquista de Luis é um caso de sucesso do profissional da bola nacional.

-Olha, é muito difícil para um brasileiro entrar em uma instituição como o Chievo Verona, ou em Portugal. Tive essa oportunidade, que foi agarrada com unhas e dentes. Para isso acontecer, eu tracei metas claras na minha mente. O que me facilitou a seguir esse caminho do treinador, pois na infância eu sempre tive o gosto de treinar, de ver o jogo. Até time de rua eu dirigi quando era criança. Então migrar da vida de atleta para treinador foi espontâneo para mim-concluiu o treinador.

O trabalho de Luis Spadetto no Chievo Verona seguirá, enquanto o diretor técnico torce para sua equipe buscar uma vaga na Série A Italiana na próxima. O Chievo é o oitavo colocado com 47 pontos, com chances remotas de subir. Mas, o trabalho de troca de ideias entre a escola italiana e brasileira prossegue e terá o jovem técnico como o elo entre esses dois mundos.


E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance