Com choro da torcida, despedida de Buffon tem vitória da Juventus
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Com choro da torcida, despedida de Buffon tem vitória da Juventus

  •  Juventus x Verona - Buffon
    Juventus x Verona - Buffon (Foto: MARCO BERTORELLO / AFP)
  •  Juventus x Verona
    Juventus x Verona (Foto: MARCO BERTORELLO / AFP)
  •  Juventus x Verona - Buffon
    Juventus x Verona - Buffon (Foto: MARCO BERTORELLO / AFP)
  •  Juventus x Verona - Buffon
    Juventus x Verona - Buffon (Foto: MARCO BERTORELLO / AFP)
  •  Juventus x Verona
    Juventus x Verona (Foto: MARCO BERTORELLO / AFP)
  •  Juventus x Verona
    Juventus x Verona (Foto: MARCO BERTORELLO / AFP)
LANCE! - 19/05/2018 - 11:53
Turim (ITA)
Festa da torcida e casa cheia em Turim para a despedida do goleiro Buffon da Juventus (mas não do futebol), uma verdadeira lenda do futebol e considerado por muitos o maior arqueiro da história. Aos 39 anos e após 17 temporadas na Velha Senhora, na manhã deste sábado, em jogo isolado da última rodada do Italiano, ele foi presenteado com uma vitória de 2 a 1 sobre o Hellas Verona. Foi substituído e pouco após sair do campo, os visitantes descontaram com Cerci. Pjanic e Rugani marcaram os gols do triunfo. 

E o futuro? 


A partida marcou a despedida do goleiro do time de Turim, mas não do futebol. Ele ainda não se pronunciou sobre o futuro, mas uma certeza: ele seguirá no futebol. Há quem diga que ele voltará para o Parma, clube onde começou a carreira, em 1995. Outras possibilidades apontadas pela imprensa europeia são o PSG e o Real Madrid. 

Panorama do Campeonato

Campeã antecipada, a Juventus, que jogou com alguns reservas, encerrou o Italiano com 95 pontos. Quem fica em segundo é o Napoli, que tem 88, mas ainda joga no domingo (como todas as outras equipes), contra o Crotone, em casa. Apesar do título, a Juventus não ficou com o melhor ataque da competição (84, contra 87 da Lazio). 

O auge da festa

Como é de praxe em despedidas, o goleiro foi substituído aos 18 do segundo tempo, por Pinsoglio. Nas arquibancadas, um misto de choro e aplausos. Dentro de campo, a partida 'parou' para o goleiro ser abraçado por cada um dos jogadores e membros da comissão técnica, até ele chegar ao banco de reservas.  Ficou cerca de um minuto no banco e foi rapidamente para o vestiário, quando voltou e deu uma volta olímpica no estádio, cumprimentando todos os torcedores que pôde. Lindo. 

A partida 

Talvez, o clima de festa tenha penetrado nos jogadores alvinegros, que começaram a partida dispersos e vendo o Verona (já rebaixado) mandar na partida. Aos 15, em chute de Fares, a única defesa de Buffon no jogo, relativamente fácil. O susto acordou a Velha Senhora, que equilibrou a partida e teve boas chances, mas o goleiro brasileiro Nicolas (revelado no Atlético-MG) evitava os gols. 

No final do primeiro tempo, Dybala fez uma linda jogada individual, mas a pintura parou na trave. Àquela altura do jogo, a Juve já estava com as rédeas da partida e o gol parecia uma questão de tempo. E foi isso que aconteceu: aos 3 do segundo tempo. Douglas Costa chutou, o goleiro espalmou e Rugani marcou no rebote. Dois minutos depois, Pjanic ampliou de falta: 2 a 0. 

A Juventus seguiu superior, mas jogava em ritmo de treino. E, por isso, o Verona conseguiu descontar, aos 31, com Cerci, após bom passe de Rômulo. No final do jogo, o suíço Lichtsteiner ainda desperdiçou um pênalti para a Juventus. 

A carreira 

Ele ficou 17 anos à frente do clube de Turim, após um começo de carreira vitoriosa na Parma (começou em 1995). No time de Turim, foi responsável por elevai ainda mais a grandeza da equipe: conquistou nove Calcio, quatro Copas da Itália e cinco Supercopas. Ainda optou por permanecer na equipe em plena disputa da Série B (caiu após escândalo de compra de resultados). Foram ainda três finais da Liga dos Campeões no período, mas perdeu para o Milan (2003), Barcelona (2015) e Real Madrid (2017).

Falar em Seleção Italiana é também falar de Buffon. Foram incríveis cinco Copas do Mundo pela Azzurra (quatro como titular). Levantou o caneco na edição de 2006 e a sexta Copa não veio porque a Itália não conseguiu a classificação. Com 176 jogos (40 à frente de Cannavaro) foi o jogador que mais defendeu a camisa azul. Pela Juve, o mesmo recorde, mas são mais de 600 partidas. Foram 656, com 301 sem ser vazado. 

E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance