PMERJ considera injusto relato de Rafaela sobre preconceito de policiais, diz site
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

PMERJ considera injusto relato de Rafaela sobre preconceito de policiais, diz site

Rafaela Silva foi a primeira medalhista de ouro do Brasil na Rio-2016
Judoca relatou preconceito em abordagem policial, mas PM considera declaração injusta (Foto: AFP)
Fora de Campo - 23/02/2018 - 13:12
Rio de Janeiro (RJ)
A assessoria de imprensa da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro se manifestou após as declarações da judoca medalhista olímpica Rafaela Silva. Segundo o site “Uol Esportes”, a PMERJ considerou o relato da atleta “injusto” e afirmou que este tipo de relato dificulta o trabalho deles.

— As declarações da judoca Rafaela Silva de que teria sofrido constrangimento durante uma abordagem ao táxi em que viajava na quinta-feira à noite, na Avenida Brasil, são injustas e não ajudam o trabalho de combate à criminalidade. — Declarou a PM — A Polícia Militar intensificou o policiamento preventivo nos principais corredores viários da Região Metropolitana para reprimir roubos de veículos e carga, adotando critérios técnicos e legais para cumprir sua missão de servir e proteger a sociedade — completou.

Entenda o caso
A medalhista olímpica Rafaela Silva contou em seu Twitter um caso de preconceito que viveu nesta quinta-feira, no Rio de Janeiro. Segundo o relato, dois policiais pararam o taxi em que Rafaela estava indo para casa, pois acharam que o motorista havia buscado a jovem na favela.Ainda de acordo com a publicação, a atleta estava voltando para casa, saindo do Aeroporto de táxi, quando foi parada na Avenida Brasil por policiais. Os PMs mandaram o taxista sair do carro e fizeram algumas perguntas a ele. Logo em seguida, pediram que Rafaela saísse também. A jovem contou que foi questionada sobre qual seria seu emprego e quando respondeu que era atleta, o policial teria se recordado de que Rafaela é atleta olímpica.


E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance