Diretor do Corinthians explica nova política de preços para jogos em casa
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Diretor do Corinthians explica nova política de preços para jogos em casa

Rosemberg
Luís Paulo Rosenberg, diretor de marketing do Corinthians, anunciou parceria nesta terça-feira (Foto: Lancepress)
Ana Canhedo - 12/06/2018 - 12:14
São Paulo (SP)
Depois da disputa da Copa do Mundo, o Corinthians terá uma nova política de venda de ingressos, com valores baseados na importância das partidas a serem disputadas em casa. É o que explicou o diretor de marketing do Timão, Luís Paulo Rosenberg, durante evento na Arena Corinthians, nesta terça-feira - que marcou o lançamento da parceira com o aplicativo interativo Spott. Segundo o dirigente, a meta é atingir um público de 30 a 40 mil pessoas em todos os jogos do Alvinegro em Itaquera. 

- Política de ingresso do Corinthians vai ter como meta encher o estádio. Eu gostaria que todo o jogo eu tivesse de cinco a sete mil ingressos na bilheteria. Se eu vou fazer um jogo, dia de chuva, às 19h, com time na rabeira do campeonato, tenho que colocar um ingresso a preço baixo. Se vou jogar com time grande, importantíssimo e eu não quero cambista, eu tenho que colocar o preço alto. O Corinthians precisa recobrar essa flexibilidade, de maneira mais contemporânea possível - ponderou o diretor, e completou: 

- Nada disso de vender dez jogos antecipados. Com isso, perco o horizonte, a visibilidade. A nova política vai ser: ter o preço fixado de acordo com a importância do jogo, tendo o objetivo de chegar a 30 ou 40 mil torcedores em todos os jogos. Discriminação de preço, tenho que reconhecer que o público da área oeste é quem fica com o ônus da geração da receita. E meu público da área norte é o gerador da receita, áudio, vídeo, feliz e cantando.

Para colocar em prática a nova política de ingressos, não haverá limitação dos valores, nem do valor mínimo, nem do valor máximo. Segundo Rosenberg, a gestão da Arena sofrerá alterações depois da pausa para a disputa da Copa Mundo. Para ele, é natural o torcedor sofrer com as alterações do valor. 

- Não tenho limite (de valor). Como não tenho limite para o preço mínimo. Não tenho problema nenhum em um jogo, em que as estatísticas apontem como desinteressante, colocar o preço a R$ 5. Nós vamos buscar essa metodologia, estamos trabalhando com a Federal de Pernambuco (UFPE), que tem uma grande tradição em redes neurais, para chegar a esse projeto - ponderou. 

- A vida faz isso com o torcedor em tudo. Se quiser uma passagem para Belo Horizonte daqui a seis meses, vai pagar R$ 100. Em cima da hora, vai pagar R$ 2 mil.  O que eu acho inadmissível é o torcedor não conseguir ingresso para o jogo do Palmeiras, ainda que fosse aquele o jogo da vida dele. O ingresso caro é aquele que você não encontra. Eu tenho uma limitação, não cabem mais de 50 mil no estádio. Se o fator é negativo, eu baixo o preço. Se por outro lado vai ser uma final ou etc, como vou regular? Vai entrar quem puder pagar - completou. 

Atualmente, o Corinthians tem média de público 30 mil pagantes, com ticket médio de R$ 50 reais. A ideia do clube é aumentar o número de pagantes e, assim, conseguir encher o estádio em todos os jogos. 

E MAIS:
Facebook Lance Twitter Lance