Pool da Copa: 'Transição é a nova, ou melhor, velha palavra do Mundial'
menu button lance
lancelogo lancelogo lance
header-CopaDoMundo

Pool da Copa: 'Transição é a nova, ou melhor, velha palavra do Mundial'

Brasil x Belgica
Bélgica comemorou para o Brasil (Foto: AFP)
Pool da Copa - 07/07/2018 - 05:40
Roularta (Bélgica)
Uma geração de ouro precisa de um golpe. A de 86 o fez contra a Rússia, e passou pela Espanha até a semifinal contra a Argentina. A de 18 fez isso contra o Japão e fez isso contra o Brasil. A recompensa é uma semifinal contra a França. Estará em jogo na terça-feira em São Petersburgo: fama eterna, anos de performances como embaixadores do futebol belga e um bilhete para a final em Moscou.

Na quarta-feira, vimos Eden Hazard, em entrevista que você leu na revista "Sports / Football", citar a fuga estreita contra o Japão. Talvez, pensou Hazard, essa geração precisasse de um jogo desses. Um em que tudo parecia dar errado, mas o resultado final caiu. Ao contrário do passado, quando o desempenho fraco ou algumas lacunas levaram à perda. Desta vez não houve nenhum dano e a força mental que os Diabos conseguiram tirar daquele golpe, levaram contra o Brasil. Individualmente, os brasileiros talvez fossem todos mais fortes, Hazard poderia facilmente admitir, mas o coletivo poderia fornecer surpresas. E sem dar muito, Hazard sugeriu talvez dar uma olhada no seu Chelseas. Um pouco mais fundo, não dando muito espaço entre as linhas, e depois contando, algo em que os belgas são tão fortes.

Areia nos olhos

Quando nos imergimos nas estatísticas no dia seguinte, vimos um pouco menos cor-de-rosa. Marcelo estava de volta, e isso poderia, em cooperação com Neymar e Coutinho, causar muitos danos à esquerda. Além disso, Tite fez uma defesa forte dos brasileiros.

O Brasil começou o jogo com a Bélgica com uma série de quinze jogos sem derrota. Esse foi o maior em nove anos para a Seleção. Desde junho de 2017, há um ano, eles jogaram onze partidas e apenas sofreram três gols. Auch. Roberto Martínez, ele mesmo já uma série de 23 jogos sem derrota, sabia o que estava fazendo.

Além disso, pelo menos se fôssemos acreditar na conferência de imprensa de Vincent Kompany, parecia que a Bélgica não mudaria de tática. Vinnie trouxe a tradição do que os belgas sob comando de seu treinador catalão teimou nos últimos dois anos: futebol ofensivo, o 3-4-3 familiar. O suicídio nos parecia que, considerando o Japão, e conosco toda a imprensa internacional também pensava assim. Os primeiros setenta minutos não haviam ensinado contra o Japão? Martínez não aprendeu nada de seu período posterior no Everton?

Foi tudo areia nos olhos. A Bélgica surpreendeu com a sua posição inicial. Ao perder a bola, quatro defensores na linha apareciam e Fellaini impedia que Paulinho fosse elemento-surpresa. Ao lado deles Chadli, um meio-campo Luiks de força, comprimento e técnica. Na frente três homens, com - surpreendentemente - Lukaku muitas vezes do lado de fora, De Bruyne central e Hazard pela esquerda.

Vida de prateleira

A espionagem fez o seu trabalho, a consulta também. Martínez mantém suas discussões táticas em grupo aqui, para testar as coisas com os outros. Teste suas ideias na data de expiração. Tite tinha visto este jogo vindo por dois anos, e tudo da Bélgica foi bem analisado. Mas de repente os Diabos Vermelhos fizeram as coisas de maneira diferente. E Roberto Martínez, com suas estatísticas e seus programas de dados, também analisou muito bem o Brasil. Por exemplo, o jogo contra o México. Os centro-americanos poderiam ter ferido o Brasil (como fizeram em Bruxelas com os belgas), colocando Lozano e Vela no flanco. Eles tiveram chances, atrapalharam o jogo brasileiro, mas não conseguiram marcar.

O plano belga funcionou. Por dois motivos. O México não tem aqueles finalizadores que os belgas fazem - de fato, com De Bruyne o nome do jogo. E o México também não tem a nitidez do marcador dos Red Devils. Contra a Alemanha, isso ainda era possível, contra o Brasil não mais. Os belgas fizeram, e foi surpreendentemente perfeito 2 a 0 para a Bélgica após 45 minutos. Com um contra-ataque na esquina de Neymar, finalizado por De Bruyne, liderado por uma fantástica ação individual de Lukaku. Classe!

Com essa pontuação intermediária também foi um pouco de sorte. O primeiro gol foi um presente, as chances do Brasil ou foram ampliadas, ou foram salvas por Courtois. Após o intervalo, não foi o suficiente, contra um Brasil que trouxe um pouco mais de ameaça para a direita e começou a jogar outra coisa no meio-campo. Foi permitindo que o Brasil atirasse oito ou nove vezes no gol, mas novamente Courtois brilhou.

Excelências

O desempenho dos belgas foi completo, com apenas excelentes jogadores. Chadli estava na nomeação, De Bruyne presente, Hazard foi o melhor brasileiro no campo com seus dribles e deixou na festa em seu papel como falso nove. Pela primeira vez, talvez não pela última vez, Neymar estava à sua sombra. Se o Real logo escolhesse substituir Cristiano e procurar um novo Galactico ... Fellaini jogou forte, e a linha de fundo rangeu algumas vezes, mas não falhou. E Thibaut Courtois pode decidir com Hugo Lloris, que será o goleiro do torneio. Porque os poucos resgates do francês no início do torneio contra a Argentina e o Uruguai também foram altos. Alderweireld, Vertonghen, que primeiro foi sombra de Willian e depois puxou sua corda contra o talvez ainda mais rápido Douglas Costa: todos eles eram inflexíveis e provaram sua flexibilidade tática. Roberto Martinez é muito cavalheiro para caminhar até as plumas, mas as críticas na Inglaterra ainda está em seu lugar, e não extinta depois daquele jogo louco contra o Japão, pode muito bem deitar agora. Contra o Brasil você precisa de uma vantagem tática, e foi isso que os belgas tiveram no primeiro tempo. Depois disso, foi apenas um jogo de coração, que é um Meunier sem fim, novamente amplamente presente, um cartão amarelo e um duelo contra os franceses.

Mais dois jogos

Mais dois jogos. Essa foi a primeira reação de Kevin De Bruyne após a eliminação do Brasil, que desde 2002 já sai quatro vezes consecutivas contra times europeus: em 2006 contra a França, contra a Holanda em 2010, em 2014 contra os alemães e agora contra Belgas. Com o Uruguai e o Brasil, os últimos não-europeus estão fora do torneio. Isso significa que a Europa está dominando? Ah, o Brasil é um time europeu que é bem explorador, defensivamente bom, tem talentoso individualmente e ainda pode vencer todos os jogos. Mas também pode perder. A Europa tem o oposto do topo da América do Sul - o resto do mundo infelizmente já não consegue seguir a capacidade atlética e o jogo coletivo perfeito - o seu acúmulo em termos de talentos individuais compensados. A França provou que contra a Argentina, os belgas provaram isso contra o Brasil. Com sorte: um poste, um gol contra, um tiro salvo ao lado d... Mas quem quer chegar longe em uma Copa do Mundo precisa de alguma sorte de vez em quando. É assim que a Espanha se tornou campeã mundial em 2010.

Para o torneio, Hazard previu uma final contra a Inglaterra. Isso ainda é possível. Para isso, os belgas devem passar pela França, que também tem sua geração de ouro. Um jovem, além disso, em favor dos belgas desempenham a sua experiência.

O jogo será diferente na terça-feira, contra a França. Porque essa é outra equipe que prefere não ter a bola. É, logo após este torneio, a poeira se deitará, uma conclusão surpreendente. O Brasil superou os belgas com 54 por cento de posse. A Espanha estava fora de casa contra a Rússia, depois de um jogo com 75 por cento de posse. Os jogadores da equipe de Portugal conseguiram levar a melhor na batalha do meio-campo com 61% de posse de bola. Argentina foi eliminada pela equipe francesa, mas teve 59% de posse. México teve 54 por cento após a eliminação contra o Brasil, a Suécia foi contra a Suíça depois de apenas 35 por cento do tempo tinha a bola.

Isso tem que ser analisado ainda mais profundamente, mas na verdade os Red Devils, que tiveram mais nas qualificações e na fase de grupos, exceções da Croácia e da Inglaterra. Se essa Copa do Mundo ensina alguma coisa, além do fato de que os grandes países e as estrelas esperadas estavam fracassando, é isso. Transição é a nova palavra de ordem. Ou melhor, o antigo. O contador olha para trás - a geração de oitenta dos belgas conseguiu uma final da CE. Transição, contando, conquistando uma bola e rapidamente na profundidade.

Os belgas, estes Devils, são mestres nos dois: podemos ganhar com a posse de bola, mas também ganhar com pouca posse de bola. Talvez seja isso que faz desta geração a equipe mais perigosa fora as que já ganharam a taça. Mais dois jogos. Mais duas finais. Para começar na terça-feira, contra duas das novas estrelas do futebol mundial: Varane e Mbappé.

Os velhos reis estão mortos, os novos podem se levantar. E De Bruyne, Hazard, Lukaku e Courtois participam.

* O Pool da Copa é a união de grandes veículos de comunicação do mundo para um esforço de troca de informações. O objetivo é manter seus leitores por dentro do que acontece com as seleções de outros países, porém, com uma visão local.

Montagem Lance!/Roularta
LANCE! e Roularta são parceiros no Pool da Copa
Facebook Lance Twitter Lance