Pool da Copa: 'Por que a Colômbia não joga todos os dias?'
menu button lance
lancelogo lancelogo lance
header-CopaDoMundo

Pool da Copa: 'Por que a Colômbia não joga todos os dias?'

Carlos Sánchez - Colômbia x Senegal
(Foto: Luis Acosta / AFP)
Pool da Copa - 12/07/2018 - 08:48
El Tiempo (COL)
A verdade é que eu não gosto de futebol, mas eu amo a equipe da Colômbia. E eu nem sei quando está jogando.

Eu não ouço ou vejo as transmissões de televisão, mas eu sei que dia há uma partida. Você não tem que ser muito inteligente para saber: eu saio e a primeira pessoa que vejo é uma jovem senhora, carregando seu filho nos braços e seguido por um cãozinho de estimação. Os três estão vestindo a camisa amarela. O filhote é o mais orgulhoso dos três. É óbvio que hoje a equipe nacional joga.

Além disso, após o jogo você não precisa ser um profeta ou feiticeiro místico para descobrir que a Seleção venceu: basta olhar para o rosto de quem aparece no supermercado ou nas calçadas, conhecido ou desconhecido, para ver rostos sorridentes e simpáticos, joviais e educados, acolhedores.

​A agressividade desaparece por um dia. A virulência desaparece por algumas horas. A famosa intolerância colombiana - que eles agora chamam de "polarização" - abre caminho para uma confraternização risonha. Os estranhos se saúdam, dizem "meu irmão", dão um tapinha no ombro, perguntam sobre a família, dão a passagem nas calçadas.

É por isso que no outro dia, em uma reunião de amigos, propus que, para mudar aquele rosto amargo para o país, para dar uma cara mais gentil, para que haja mais harmonia e carinho, seria bom se a equipe colombiana jogasse todos os dias . Mas quem conhece o futebol me explica que isso é fisicamente impossível. Pena.

Além dos excelentes resultados esportivos que havíamos reservado, este campeonato mundial de futebol foi uma lição genuína para nós, os colombianos. Não só para os jogadores, mas também para as lições que aprendemos com os fãs que viajaram para a Rússia.

Olha o que aconteceu. Começando o torneio, quando o árbitro estava apenas apitando pela primeira vez, começaram vários tumultos envolvendo os espectadores colombianos como protagonistas de atos vergonhosos nos estádios russos.

Eles não tinham acabado de abrir as portas da arquibancada quando saíram as primeiras duas notícias: os torcedores que enganaram as autoridades e violavam as leis, posando como astúcia, recebendo bebidas alcoólicas de contrabando para as arquibancadas, escondido em um falso binóculos, e do vilão que - no mesmo dia em que o Japão bateu na Colômbia - gravou na câmera uma senhora japonesa dizendo, em espanhol: "Eu sou uma vadia".

Neste momento da vida não sei mais o que me causa mais perplexidade, que eles fazem o que fizeram ou que, além de fazê-lo, o proclamam, crendo-se inteligentes e engenhosos, merecedores de admiração e reconhecimento.

Como se violar a lei fosse um feito, ou desrespeitar as pessoas fosse uma façanha, então elas gravavam em seus celulares ou em suas câmeras e saíam para enviá-las para redes, enviá-las para o mundo inteiro, divulgar sua epopéia, demonstrar quem é o mais vivo, o revive, o mais astuto, o máximo. Em cima do que eles se promovem?

A única coisa que eles conseguiram foi ter o país vindo até eles. Bem feito. As pessoas reagiram imediatamente, através das mesmas redes eletrônicas, contra esse absurdo. É que, além de serem rudes, são tão tolos que achavam que iam aplaudi-los. O excesso do mal só produz tolos.

No exato momento em que o país está desmoronando em nossas mãos, aparece, como naquelas premonições milagrosas das tragédias gregas, esse grupo de meninos da Seleção Nacional da Colômbia e eles nos deram toda essa lição: a vida é composta de disciplina, de coragem incansável, de superação, de esforços titânicos para superar a adversidade.

Ainda estamos a tempo de reagir para voltarmos ao trabalho honesto, à luta diária, à ousadia. Enquanto os líderes políticos dividem o país, eles atomizam e corrompem; e enquanto os congressistas corruptos estão encarregados de investigar magistrados corruptos que, por sua vez, estão encarregados de investigar os mesmos congressistas que os investigam, eles aparecem jovens atletas humildes que estão apontando o caminho para a integridade e a unidade.

* O Pool da Copa é a união de grandes veículos de comunicação do mundo para um esforço de troca de informações. O objetivo é manter seus leitores por dentro do que acontece com as seleções de outros países, porém, com uma visão local.

Montagem Lance!/El Tiempo
Lance! e El Tiempo são parceiros no Pool da Copa
Facebook Lance Twitter Lance