Pool da Copa: Adeus ao Mundial! Suárez e Cavani começaram a envelhecer
menu button lance
lancelogo lancelogo lance
header-CopaDoMundo

Pool da Copa: Adeus ao Mundial! Suárez e Cavani começaram a envelhecer

Pela seleção uruguaia, Luis Suárez e Edinson Cavani marcaram, juntos, 98 gols
Suárez e Cavani podem ter jogado última Copa (Foto: Divulgação)
Pool da Copa - 12/07/2018 - 05:15
El Observador (Uruguai)
Dizem que com golpes você aprende. E enquanto isso nem sempre é o caso - às vezes o conhecimento vem de experiências brilhantes - é verdade que as questões difíceis da vida tendem a deixar algum outro conhecimento. Portanto, a eliminação do Uruguai na sexta-feira passada nas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia contra a poderosa França pode ser usada como um bom golpe, como um alerta amigável.

Acontece que os novos fãs uruguaios não estão acostumados com o cinzento que acompanhou a equipe durante os anos 70 e início dos anos 80. Portanto, muito do que hoje são menos de 40 anos se lembra da goleada sofrida contra a Dinamarca em 1986 como uma catástrofe em escala planetária. Eles nem sequer intuem qual foi a dolorosa rotina dos anos setenta de um time uruguaio com o qual até mesmo as praças mais fracas lutaram para jogar.

Desde a chegada de uma geração que inclui alguns dos melhores jogadores de futebol do mundo, como Forlan, Suarez, Cavani, Cáceres ou Godín, mais jovens, mas especialmente os fãs, não importa a idade, que começaram a ver colorida a camisa celeste, principalmente depois do pênalti perdido por Gana na África do Sul 2010. Esse grupo de torcedores se acostumou a areditar ser comum classificar-se para um Mundial e enfrentar de igual para igual grandes potências.

Como os veteranos superaram em suas expectativas depois do maracanazo de 1950, os filhos do louco que feriram a prisão estavam muito acostumados e se dividirem em dois grandes grupos. Por um lado, vemos os pingos de mel em todos os lados, que compram bandeiras de todos os tamanhos, gritando "Uruguai, Uruguai", com a mesma cadência com que cantar a moda canção, eles não se importam se o técnico por sua vez, faz o jogo o marcador dianteiro central principal. Ou seja, eles celebram o que vem porque, para eles, um jogo de futebol tem a mesma emoção que um batismo ou a entrada do casal na igreja.

Por outro lado, vemos os indignados usuais. Aqueles que parecem ter esquecido que vivem em um país do terceiro mundo com pouco mais de três milhões de pessoas, e não entendem que estar misturado entre os oito melhores times da Terra é milagroso.

Quando o jogo contra a França terminou, as câmeras de televisão mostraram o choro de algumas crianças que, com certeza, acreditavam que a vitória estava ao alcance. Sem saber, é claro, essas crianças choram pelas razões erradas.

Na verdade, a coisa mais triste do que aconteceu na Copa do Mundo na Rússia, e eles não sabem é que, como já disse, há a melhor geração de jogadores que podem ter dado ao Uruguai seu adeus históricoa.

A partir de agora, Cavani, Suárez e Godín deixarão de crescer e começarão a envelhecer (no futebol os profissionais expiram rápido e essas rugas terão 35 anos na próxima Copa do Mundo).

E certamente será muito tempo, muito mais que quatro anos, até que o Uruguai tenha uma equipe capaz, como esta, para chegar a uma final mundial.

Mas a partida perdida na sexta-feira contra a França é, por si só, um nada. É um furo, não mais. Essas crianças que estão chorando hoje serão vacinadas para a próxima. E, além disso, o futebol nada mais é do que um jogo (você tem que ver quantos dos que sabem pouco ou nada sobre isso levam isso a sério).

É o jogo mais bonito de todos - aquele que jogou sabe, aquele que joga sabe disso - mas é um jogo no passado.

* O Pool da Copa é a união de grandes veículos de comunicação do mundo para um esforço de troca de informações. O objetivo é manter seus leitores por dentro do que acontece com as seleções de outros países, porém, com uma visão local.


Montagem Lance!/El Observador
LANCE! e El Observador são parceiros no Pool da Copa
Facebook Lance Twitter Lance