Mudança de rota no futebol brasileiro? L! debate sobre aposta em técnicos mais jovens
menu button lance
lancelogo lancelogo lance

Mudança de rota no futebol brasileiro? L! debate sobre aposta em técnicos mais jovens

  •  Fábio Carille, Alberto Valentim, Elano e Jair Ventura
    Fábio Carille, Alberto Valentim, Elano e Jair Ventura: lista de interinos que foram efetivados chama atenção no futebol nacional (Foto: Lance!)
  •  Fábio Carille Botafogo x Corinthians
    Fábio Carille já levou o Corinthians ao Paulistão e vê a equipe como líder do Brasileiro Daniel Augusto Jr
  •  Elano, do Santos
    O ex-jogador Elano  foi efetivado como técnico após a saída de Levir Culpi Ivan Storti
  •  Alberto Valentim - Palmeiras
    Alberto Valentim tenta no Palmeiras fazer o trabalho que Cuca não conseguiu no Brasileirão Cesar Greco
  •  Jair Ventura
    Jair Ventura foi efetivado no Botafogo em 2016 e segue com a confiança da diretoria Vitor Silva/SSPress/Botafogo
  •  Daniel Paulista
    Daniel Paulista tenta ajustar o Sport após insucesso de Vanderlei Luxemburgo Williams Aguiar/Divulgação Sport
  •  João Paulo Sanches - técnico do Atlético-GO
    João Paulo Sanches luta para levar o lanterna Atlético-GO a um 'milagre' no Brasileirão (Foto: Paulo Marcos / Atlético-GO)
Vinícius Faustini - 08/11/2017 - 14:18
Rio de Janeiro (RJ)
O Campeonato Brasileiro ainda aguarda por suas últimas emoções. Porém, esta edição já traz uma curiosa marca para o mercado dos treinadores: sete dos 20 clubes são comandados por interinos ou antigos interinos.

A começar pelo atual líder Corinthians, que depositou suas fichas em Fábio Carille desde o início de temporada, foi campeão paulista e pode terminar a temporada com o Brasileirão nas mãos. Já outros clubes do estado recorreram à "solução caseira" após duas demissões no ano.

O ex-jogador Elano comandará o Santos, que viu os medalhões Dorival Júnior e Levir Culpi decepcionarem na Vila Belmiro. Já no Palmeiras, caberá a Alberto Valentim aprumar o Palmeiras da forma que Eduardo Baptista e Cuca não conseguiram.

A zona de classificação para a Copa Libertadores ainda traz outro nome: Jair Ventura, que tornou-se técnico do Botafogo após a saída de Ricardo Gomes, está no clube desde agosto de 2016.  O Sport promoveu a técnico Daniel Paulista, após as passagens frustrantes de Ney Franco e do badalado Vanderlei Luxemburgo. Enquanto isto, o Atlético-GO tenta com João Paulo Sanches fazer uma reta final redentora, depois das passagens mal-sucedidas no Brasileiro com Marcelo Cabo e Doriva.


Vanderlei Luxemburgo
Vanderlei Luxemburgo foi um dos 'medalhões' que naufragaram neste Brasileirão (Williams Aguiar/Divulgação)
FALTA DE CONVICÇÃO, MUDANÇA NATURAL...: OPINIÕES DIVERGEM

Este cenário trouxe vários pontos de vista entre especialistas e treinadores. Blogueiro do LANCE!, Fabio Chiorino apontou que a "aposta", muitas vezes, surge por acaso: 

- Nem sempre os clubes recorrem aos interinos por convicção. O caso mais emblemático talvez seja o do próprio Fábio Carille, que acabou sendo efetivado após as tentativas do Corinthians por um novo técnico não surtirem efeito. Jair Ventura e um bom exemplo de como um treinador que está começando o trabalho pode se sair bem tendo o respaldo absoluto da diretoria. É o que acontece há dois anos no Botafogo, que consegue resultados bem satisfatórios, tendo em vista suas limitações de elenco e dificuldades financeiras.

Chiorino vê alguns técnicos ficando para trás no momento: 

- Os medalhões estão ficando para trás por culpa deles próprios, já que a maioria simplesmente se recusa a buscar novos aprendizados na profissão e simplesmente repetem fórmulas que já não surtem o mesmo efeito no futebol de hoje. Além disso, ainda tem a questão técnica. Poucos clubes são capazes de formarem times realmente competitivos para a temporada, então não justifica mais salários absurdos para técnicos que naturalmente terão seu trabalho limitado pela falta de evolução tática ou pela limitação natural do futebol que se disputa por aqui. E ai os jovens treinadores e os interinos passaram a ocupar este espaço diante do novo contexto.

Zico vê com bons olhos esta "nova geração": 

- Tudo é válido, principalmente quanto os resultados aparecem. Tivemos uma supervalorização de técnicos, e isto agora deve estar pesando para os clubes. Deu margem para o surgimento de uma nova geração de treinadores - afirmou, ao L!.

Aos olhos de Evaristo de Macedo, a renovação é "natural", e os próprios medalhões deveriam ficar atentos ao novo panorama do futebol nacional:

- Isto é normal, no futebol existe uma renovação sempre. Os treinadores mais antigos já tiveram seus momentos, e creio que poderiam ter outra ocupação em vez de ainda ficar à beira do campo. Em especial, porque estamos em um momento em que o futebol brasileiro não investe nos treinadores na mesma forma do que os clubes europeus - afirmou, ao LANCE!.

Porém, Evaristo deixa um alerta aos interinos e ex-interinos que começaram a ficar em voga no mercado:

- Mesmo com uma renovação maior, que dá espaço a técnicos que foram lá para fora, não acredito em uma evolução no futebol brasileiro. Os técnicos vão entrar no mercado onde o que vale é ganhar. Você não é julgado pelo que seu trabalho vale, e sim pelos resultados.

E MAIS:
icone-carregar-comentCreated with Sketch.
CARREGAR COMENTÁRIOS
Facebook Lance Twitter Lance